Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Dos Estereótipos e dos Feminismos

texto de Inês Meneses (aka fuckitall, em www.womenageatrois.blogspot.com) Dois tipos de protestos quanto à imagem feminina na publicidade têm sido importantes na agenda feminista que vem a público. Um, que em boa medida subscrevo, tem que ver com o retrato dos papéis de género. Entenda-se por isto a estafada mas massiva e quase nunca alterada imagem da mulher como única responsável pelas tarefas domésticas e pelo “cuidar dos filhos”, a mulher que consome apenas produtos para cuidar o corpo – o seu, o da família e, até, o da casa. A mulher consome para dar. O contraponto é o homem que vive para a competição e o prazer, que compra bebidas, carros e telemóveis. O homem consome para ganhar. Os publicitários dizem, regra geral, que isto espelha a realidade do consumo nacional e que eles se limitam a trabalhar para essa realidade. Alguns de nós achamos que a realidade não se esgota nisto, que a realidade pode e deve mudar e que o uso permanente e repetido até à náusea destes estereótipos contribui muito para a lentidão de tal mudança, enclausurando ambos os géneros em papéis e auto-imagens rígidos. Tentar resolver este conflito através de uma ou outra forma de censura é, no entanto, quanto a mim, inaceitável. As mulheres não são uma minoria, nem vivem na actual sociedade portuguesa numa situação tal de inferioridade cultural ou económica que justifique o uso de algo que, em democracia, só pode ser uma excepção (a regulação a priori e vinda de cima de discursos e imagens). Se os estereótipos quanto aos papéis de género na publicidade nos incomodam deveras, a muitas mulheres e muitos homens, temos bom remédio. Basta que não compremos os produtos assim anunciados, que se escreva sobre o assunto quando acharmos o estereótipo mais ofensivo, se promovam boicotes (a Internet para alguma coisa serve, e para este tipo de fim serve muito). Se não o fazemos, a culpa é apenas nossa. De algum modo, aceitamos ser assim retratados. Outra crítica à publicidade passa pelo uso de imagens de nudez feminina, de mulheres erotizadas, objecto e/ou sujeito de sexualidade (vejam-se as recentes polémicas com o anúncio da Dolce&Gabana e com o cartaz do Crazy Horse no Casino de Lisboa), ou simplesmente da mulher enquanto símbolo de algo desejado (como na publicidade à SuperBock no Verão passado). Aqui, é-me impossível concordar com aquilo que normalmente vem a público como posição feminista: a ideia de que estas imagens ofendem a mulher, a “utilizam” e “degradam”, porque a “transformam em objecto sexual”. Perdão? Transformam? Eu julgava que éramos todos, homens e mulheres, sujeitos e objectos sexuais, graças a deus, muito obrigada. Como mulher e feminista, ofende-me o conceito de que tudo o que tem a ver com sexo é do interesse masculino, ergo mulheres retratadas em situações sexuais estarão apenas a ser usadas pelos homens. Mostrar o corpo feminino como algo de belo e desejável, só pode parecer mal a quem tem saudades de outros tempos, dos tempos do recato e do controlo público sobre as mulheres. Dos tempos em que mulheres que mostravam (ou usavam) o corpo não mereciam respeito. Em que uma mulher publicamente sexualizada era uma mulher, de alguma forma, menor. Este discurso parece-me errado, do ponto de vista feminista, em toda a linha. Em primeiro lugar, reproduz esta noção da mulher como objecto passivo e desinteressado da sexualidade. Depois, sustenta que a imagem pública do corpo feminino deve ser objecto de um controlo específico, deve ser limitada por outra coisa que não a livre vontade das próprias mulheres. Mantém a ideia de censura – e nenhum discurso que se queira ligado a valores de libertação, seja o feminismo ou outro qualquer, se pode basear num conceito próprio de quem se vê como regulador iluminado da vida dos outros. Este feminismo de tendência conservadora é o mesmo que, mais ou menos com os mesmos argumentos, advoga a proibição da pornografia e da prostituição. Tal como na publicidade ou na moda, as mulheres que trabalham nestas profissões (ao contrário dos homens?) estariam a ser exploradas, as suas escolhas seriam inválidas, pouco livres e mal informadas. Eu, por outro lado, acredito que como em qualquer profissão as pessoas têm é que ter escolha e que ter direitos. Se falamos de feminismo e de estereótipos, eu diria que todos os estereótipos que constituem o pior do machismo estão aqui. A mulher que só por vontade do homem se mostra e se sexualiza, sendo necessariamente nisso uma vítima. A mulher que não sabe gerir a sua própria imagem e o seu próprio corpo, que precisa de proibições que a defendam. E o conceito de que uma mulher que mostra publicamente nudez ou, pior, desejo sexual, se vê degradada. Se as pessoas têm direito a não gostar deste tipo de imagens? A aplicar aqui o tal direito ao protesto e ao boicote? Com certeza. Aqui como em tudo. Não podem é dizer que o fazem pelas mulheres e pelo feminismo. Algumas de nós, mulheres e feministas, acreditamos que estes protestos são um novo reduto do machismo, uma espécie de lobo disfarçado de cão-pastor. E estamos fartas de ser cordeiros.

88 comentários

Comentar post

Pág. 1/9

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media