Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

até já, joão

joão miguel tavares despede-se hoje da sua coluna do dn. gosto do joão e é provavelmente uma das pessoas com quem trabalhei -- foi meu editor na secção de sociedade do dn em 2005/2006 -- com quem me dei melhor, apesar de não terem faltado umas boas discussões (mas que é o raio de uma redacção sem uns gritos e umas portas a bater?). temos, na prática, apreciações muito semelhantes do que é o jornalismo e do que é uma boa história, e praticámo-las em equipa, o que deixa sempre uma impressão duradoura -- e, neste caso, grata.

 

ao longo do seu tempo de colunista no dn, o joão escreveu muitas coisas com as quais não concordei. algumas chegaram ao ponto de me indignar. não concordo com uma premissa que o joão toma como certa, a de que um colunista pode acusar sem consubstanciar acusações porque a consubstanciação é uma obrigação dos jornalistas. o joão talvez ache que com isso está a combater aquilo a que chama 'a cultura do respeitinho'. eu acho que o joão está desse modo a contribuir para uma cultura de acusações gratuitas e criminosas (sim, é mesmo esta a palavra) que mina a liberdade de expressão e até acho mais: acho que o joão é profundamente incoerente no que respeita à cultura das acusações inconsubstanciadas nas suas posições sobre estas matérias, como revela por exemplo a sua indignação com o que sucedeu no caso maddie mccann. parece-me que o joão tem vários pesos e medidas quanto ao respeito pelo bom nome e, claramente, quanto às garantias legais da presunção da inocência.

 

por via daquilo que considero ser a sua irresponsabilidade e do que só pode ser descrito como estupidez e má fé de muita gente, o joão tornou-se uma espécie de mártir da liberdade de expressão em portugal. espero que isso não lhe suba à cabeça -- as conversas que tenho tido com ele fazem-me crer que vê o facto com saudável ironia -- até porque se em alguma coisa isso resultou foi em subir-lhe a cotação no mercado e torná-lo um troféu cobiçado em vários meios (dificilmente a marca de um país amordaçado, mas enfim).

 

o joão escreve na sua coluna que a sociedade portuguesa não tem uma cultura de liberdade. eu concordo: acho que em portugal não se reconhece o valor da liberdade. o joão dá como exemplo a falta de transparência da administração pública, um assunto em relação ao qual estamos de acordo mas que não tem tanto a ver com a liberdade como com a falta de espírito democrático (são coisas ligeiramente diferentes). o joão não se lembrou -- talvez nem tenha reparado -- que essa falta de respeito pela ideia de liberdade está muito mais patente na incapacidade de avaliar as posições individuais e os próprios indivíduos em função delas e deles próprias e não de pretensos alinhamentos e na perspectivação, tão clara, das opiniões em função de barricadas. essa falta de respeito está por exemplo presente na forma como o joão escreveu sobre o pedro marques lopes, ao assumir que se ele está contra opinadores que fazem acusações sem provas só pode ser um defensor do primeiro-ministro que pôs um processo ao joão com base no facto de ele lhe ter feito acusações sem provas. aparentemente, ao joão não passou pela cabeça que o pedro possa estar a falar em tese geral -- tem de imediatamente o vincular a um grupo, a um interesse, a uma barricada. como quem diz: não há homens livres.

 

além de ser profundamente contraditório -- afinal, se não há homens livres, teriamos de perguntar que interesses alheios serve o joão -- isto é sobretudo triste. a minha esperança é que o joão, como muitas outras pessoas, perceba um dia, o mais rapidamente possível e esperançadamente não à sua custa, que muito do que andou a dizer e defender é em si um atentado à liberdade.

 

por fim, uma nota: o joão diz que o dn, sob os vários directores que cita, foi sempre um espaço de liberdade. cita entre os directores sob os quais trabalhou fernando lima. em 2004, já o joão trabalhava no dn (estava lá antes de eu entrar), lima censurou uma coluna minha -- ou seja, impediu uma coluna de ser publicada e por motivos claramente políticos. o facto foi público e alvo de um protesto do conselho de redacção de então. é certo que a coluna era minha e não do joão miguel, mas quando defendemos a liberdade pela liberdade não devemos abrir excepções. sei que foi esquecimento, joão. mas devias pensar nisso: nas coisas que lembramos e nas que esquecemos, e porquê.

34 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media