Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

podem tentar explicar-me

mas eu jamais perceberei a fúria com que proclamados defensores dos direitos lgbt certificam que depois da aprovação do casamento civil das pessoas do mesmo sexo, que se prevê ocorra na sexta, a adopção (por qualquer motivo esquecem-se -- ou ignoram? -- de todas as outras questões de parentalidade que é necessário dirimir no que respeita a homossexuais) só ocorrerá daqui a um milénio (ou dois). gostam assim tanto da derrota, da infelicidade e da frustração ou é só despeito pêesseófóbico?

 

olhar para qualquer cronologia de luta pelos direitos de uma parte discriminada da população implica perceber que raramente (nunca?) se obtém a absoluta igualdade de uma vez. já disse isto muitas vezes, mas o primeiro reconhecimento legal da existência de casais de pessoas do mesmo sexo ocorreu apenas há nove anos -- dois anos depois de uma primeira lei das uniões de facto excluir os casais de pessoas do mesmo sexo.

 

houve avanços e recuos nestes nove anos -- e um dos recuos mais essenciais e determinantes da situação em que se está no que respeita às questões de parentalidade lgbt ocorreu em 2006, com a aprovação de uma lei de procriação assistida (pma) que só admite o recurso à técnica a casais hetero, casados ou em união de facto, excluindo 'mulheres sós'. uma exclusão para a qual concorreram todos os partidos -- incluindo o be e o pcp, que só admitiam pma para 'mulheres sós inférteis' (ou seja, mulheres com diagnóstico de infertilidade prévio). a lei de pma que temos, já aprovada após a alteração do artigo 13º da constituição para nele incluir a interdição da discriminação em função da orientação sexual é, com a interdição de acesso à adopção consagrada na lei das uniões de facto de 2001, a precursora da interdição da adopção que a assembleia da república deverá consagrar na sexta-feira, ao votar uma nova formulação do código civil que permita o casamento de pessoas do mesmo sexo. estranho não ter visto alguns dos que agora arrepelam os cabelos com o projecto-lei do ps invectivar todos os partidos que permitiram uma lei de pma que antes de ser homofóbica é repelentemente machista. e estranho que não tenham na altura esganiçado a voz e as teclas dos laptops a agoirar cem anos pelo menos de martírio até se chegar a uma nova landmark na luta pelo reconhecimento dos direitos lgbt e, já agora, das mulheres. 

 

querem a adopção para casais do mesmo sexo? porra, eu também. quero isso e procriação assistida para as mulheres que a queiram e possam pagar -- percebo que o estado não pague a pma a quem não tenha diagnóstico de infertilidade, mas não percebo que a proíba de todo -- e a co-adopção (a possibilidade de adoptar o filho adoptado do outro membro do casal do mesmo sexo), e a possibilidade de se constituírem em famílias de acolhimento. quero tudo. e é porque quero tudo e nunca o escondi que não aceito lições de moral e estratégia de gente que não se envergonha de dizer que se calhar era melhor que o projecto do ps não passasse. melhor? para quem? como melhor? era melhor que não se tivesse aprovado a lei das uniões de facto, também? era melhor que até hoje os casais de pessoas do mesmo sexo não tivessem qualquer reconhecimento legal, porque lhes falta o acesso à adopção? era melhor que nunca se tivesse descriminalizado a homossexualidade porque não foi automática a equiparação da idade do consentimento para relações hetero e homo? 

 

e ainda têm estes dribleurs da opinião o descaramento de acusar os outros de tacitismo.

 

adenda: a propósito de coisas sem importância nenhuma, como o reconhecimento das relações entre pessoas do mesmo sexo, leiam esta notícia do dn de hoje (a assinatura, que falta, é minha). falta também na net o texto secundário em que o novo vereador do pelouro, carlos carreiras, assume ao dn a intenção de mandar recolocar a lápide, considerando a decisão anterior 'sem sentido nenhum' e dizendo-se humanamente chocado com o que afirma só ter sabido através do contacto do dn.

51 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media