Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

podem tentar explicar-me

mas eu jamais perceberei a fúria com que proclamados defensores dos direitos lgbt certificam que depois da aprovação do casamento civil das pessoas do mesmo sexo, que se prevê ocorra na sexta, a adopção (por qualquer motivo esquecem-se -- ou ignoram? -- de todas as outras questões de parentalidade que é necessário dirimir no que respeita a homossexuais) só ocorrerá daqui a um milénio (ou dois). gostam assim tanto da derrota, da infelicidade e da frustração ou é só despeito pêesseófóbico?

 

olhar para qualquer cronologia de luta pelos direitos de uma parte discriminada da população implica perceber que raramente (nunca?) se obtém a absoluta igualdade de uma vez. já disse isto muitas vezes, mas o primeiro reconhecimento legal da existência de casais de pessoas do mesmo sexo ocorreu apenas há nove anos -- dois anos depois de uma primeira lei das uniões de facto excluir os casais de pessoas do mesmo sexo.

 

houve avanços e recuos nestes nove anos -- e um dos recuos mais essenciais e determinantes da situação em que se está no que respeita às questões de parentalidade lgbt ocorreu em 2006, com a aprovação de uma lei de procriação assistida (pma) que só admite o recurso à técnica a casais hetero, casados ou em união de facto, excluindo 'mulheres sós'. uma exclusão para a qual concorreram todos os partidos -- incluindo o be e o pcp, que só admitiam pma para 'mulheres sós inférteis' (ou seja, mulheres com diagnóstico de infertilidade prévio). a lei de pma que temos, já aprovada após a alteração do artigo 13º da constituição para nele incluir a interdição da discriminação em função da orientação sexual é, com a interdição de acesso à adopção consagrada na lei das uniões de facto de 2001, a precursora da interdição da adopção que a assembleia da república deverá consagrar na sexta-feira, ao votar uma nova formulação do código civil que permita o casamento de pessoas do mesmo sexo. estranho não ter visto alguns dos que agora arrepelam os cabelos com o projecto-lei do ps invectivar todos os partidos que permitiram uma lei de pma que antes de ser homofóbica é repelentemente machista. e estranho que não tenham na altura esganiçado a voz e as teclas dos laptops a agoirar cem anos pelo menos de martírio até se chegar a uma nova landmark na luta pelo reconhecimento dos direitos lgbt e, já agora, das mulheres. 

 

querem a adopção para casais do mesmo sexo? porra, eu também. quero isso e procriação assistida para as mulheres que a queiram e possam pagar -- percebo que o estado não pague a pma a quem não tenha diagnóstico de infertilidade, mas não percebo que a proíba de todo -- e a co-adopção (a possibilidade de adoptar o filho adoptado do outro membro do casal do mesmo sexo), e a possibilidade de se constituírem em famílias de acolhimento. quero tudo. e é porque quero tudo e nunca o escondi que não aceito lições de moral e estratégia de gente que não se envergonha de dizer que se calhar era melhor que o projecto do ps não passasse. melhor? para quem? como melhor? era melhor que não se tivesse aprovado a lei das uniões de facto, também? era melhor que até hoje os casais de pessoas do mesmo sexo não tivessem qualquer reconhecimento legal, porque lhes falta o acesso à adopção? era melhor que nunca se tivesse descriminalizado a homossexualidade porque não foi automática a equiparação da idade do consentimento para relações hetero e homo? 

 

e ainda têm estes dribleurs da opinião o descaramento de acusar os outros de tacitismo.

 

adenda: a propósito de coisas sem importância nenhuma, como o reconhecimento das relações entre pessoas do mesmo sexo, leiam esta notícia do dn de hoje (a assinatura, que falta, é minha). falta também na net o texto secundário em que o novo vereador do pelouro, carlos carreiras, assume ao dn a intenção de mandar recolocar a lápide, considerando a decisão anterior 'sem sentido nenhum' e dizendo-se humanamente chocado com o que afirma só ter sabido através do contacto do dn.

51 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media