Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Usos do «contextualismo» histórico

Isabel, de novo, cá está um post teu, que eu adoraria ter escrito.Também li o artigo do Público, que a ser fidedigno, me deixou perplexa. Sobretudo aquela do «bode expiatório» e porque me pareceu que Oliver Stone estaria a utilizar o «contexto» para relativizar a acção, no particular de Hitler e Staline.

Sou historiadora e por isso muito sensível ao contexto, para poder compreender e interpretar o passado.

Por exemplo, como tu própria recordaste, a especificidade do anti-semitismo nazi e do Holocausto só pode ser compreendida e interpretada ao ter-se a noção do contexto. Ao ter-se a noção das várias fases que levaram ao Holocausto, desde a discriminação dos judeus, à sua retirada do mercado de trabalho, à expulsão da Alemanha e dos territórios ocupados, até ao extermínio.

Analisar esse contexto possibilita a compreensão do que se passou e é tarefa do historiador estudá-lo e apresentá-lo

De facto, como disse Hannah Arendt, os nazis conseguiram fazer com que os judeus fossem considerados como "estando a mais" neste mundo. Na realidade, os nazis fizeram dos judeus, não sub-homens e sub-mulheres, mas não-homens e não-mulheres. Seres, identificados como vírus, que estariam a minar o "saudável" organismo "alemão" e que deveriam ser expurgados. E conseguiram o seu objectivo, com a cumplicidade e a neutralidade cúmplice de muitos e muitos.

Enquanto historiadores, cidadãos, cidadãos-historiadores e historiadores-cidadãos, dizer o que se passou é uma atitude profissional e deontológica, que neste caso não é neutral, e acaba por ser uma atitude moral. Parece contraditório este facto, dada a necessidade que o historiador tem de tender para a objectividade, sabendo que ela é impossível de ser atingida. Mas objectividade não é a mesma coisa que neutralidade.

E, ao tentarmos compreender as acções humanas e transmitir as do passado a outros seres humanos, fazêmo-lo baseados no mesmo back ground humano, que é moral, que nos permite estar a falar com outros e fazermo-nos entender por eles.

Oliver Stone – repito, a serem fidedignas as declarações que o Público lhe atribui – tem razão, quando dá importância ao contexto e quando - e se - está a dizer que os crimes de Hitler e Staline não são só destes dois criminosos mas também de muitos outros criminosos.

Oliver Stone não tem razão se está a dizer que tudo se equivale e tudo se compreende e, por isso (digo eu, que ele está a dizer), tudo se perdoa. Não tem razão se a sua atitude é de relativismo moral (a meu ver criminoso). É certo que não se sabe em que contexto - lá está o «contexto» - Stone está a dizer que Hitler é um «bode expiatório», mas a utilização da palavra parece-me desde já provocatória.

Se se confirmar esse relativismo, pode-se dizer que, se havia a mentira propalada pelo revisionismo e pelo negacionismo histórico, agora há a mentira do «contextualismo».

9 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media