Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

obrigada, pedro, pelo teu cuidado

mas já conhecia a notícia. não conheço é o processo, tu conheces? nem conheço o processo nem conheço a notícia (ou notícias) que deu origem ao processo.

 

aquilo que li leva-me a crer que a acusação da violação do segredo de justiça se refere ao facto de o jornalista em causa ter divulgado partes de um despacho de arquivamento antes de ele ser tornado público -- ou seja, partes de um documento que seria público dentro de um prazo curto -- e reproduzido a acusação aí formulada (e arquivada). terá sido aliás, ainda de acordo com o que se lê no texto lincado, a reprodução da acusação (acrescida de menção de outros testemunhos) que leva ao processo por difamação. mas não estou de facto informada e portanto tenho dificuldade em dizer se concordo ou não com a decisão do tribunal europeu dos direitos humanos.

 

em todo o caso, pedro, na minha qualidade de barbeira, ou seja, de não jurista mas cidadã portuguesa e europeia e até, imagina, de jornalista que já teve muitas vezes de ponderar essas questões no seu trabalho, se calhar nem sempre decidindo bem e, sobretudo, tentando aprender com os erros, meus e dos outros, parece-me que se a decisão tivesse como resumo isso que dizes -- 'a liberdade de imprensa a prevalecer sobre o segredo de justiça, a privacidade, o direito à reputação' -- como absolutismo e teoria geral, seria completamente errada.

 

sucede que, e como jurista deverás (deverias?) sabê-lo muito melhor do que eu, a liberdade de imprensa e expressão deve ser sempre ponderada tendo em conta outros bens jurídicos fundamentais, como a protecção do segredo de justiça (constitucional e legalmente garantido) e outros valores fundamentais que no caso surjam em conflito. logo, é na ponderação entre os vários valores em presença, caso a caso, que não só os juízes como, imagina, os jornalistas têm de decidir. mas, ainda mais extraordinário, lincas a propósito desta decisão do tedh um post meu sobre a responsabilidade dos colunistas, escrito para o joão miguel tavares. como deves saber, a tese do joão miguel é de que um colunista não tem as obrigações de um jornalista, ou seja, de consubstanciar o que diz: pode ler umas cenas nos jornais e tungas, tirar uma conclusão do género 'o pedro lomba é um vendido e anda a oferecer o seu poder de intervenção como colunista ao partido que pagar mais', e pespegar com ela no seu espaço e o pedro lomba que se amanhe (defendendo, estou certa, a liberdade de expressão até à morte). curioso pois que relaciones um caso em que se analisa a responsabilidade do jornalista com o meu post: qual é exactamente a ideia? e a relação e/ou analogia? ou não interessa?

 

aliás, como jurista que és, pedro, e habituada a ver-te argumentar contra e a favor de decisões jurídicas de juízes (sim, parece pleonasmo mas não é), espanto-me, mas não ao ponto do desmaio -- seria preciso um pouco mais de espanto e neste caso, tenho de certificar, isso está há muito fora de questão --, com o facto de neste caso aparentemente não te ocorrer colocar a possibilidade de os juízes estarem, digamos assim, a ver mal a coisa. é por serem estrangeiros (à excepção do ireneu cabral barreto, que por acaso não sabemos -- eu não sei -- como votou) ou é porque a decisão te agrada por parecer ir ao encontro das tuas posições? e, se parece ir ao encontro das tuas posições, significa isso, pedro, que achas que a liberdade de imprensa deve prevalecer sobre tudo, ou seja, sobre as liberdades e as garantias específicas do indivíduo, e isto em nome de um alegado interesse público (que, em muitos casos, se confunde bastante com o interesse de vender notícias e de obter audiências, but that's another story), algo que o transcende mesmo que para dizer mentiras ou inventar falsidades sobre ele? é isso, pedro? muito bem, anoto. e anoto que estava enganada sobre mais uma coisa sobre ti: tinha a ideia de que te definias como um liberal. my mistake. again.

 

nota: ultimamente, neste blogue, quem tem debatido, e até contigo, estas matérias do segredo de justiça, da privacidade, da liberdade de expressão e do direito ao bom nome é a isabel, por acaso jurista como tu. agradeço penhorada a atenção -- sabes como eu gosto de atenção -- mas não te terás enganado no linque e no nome?

2 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media