Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

demónios portugueses

Quando em Portugal se fala em colónias é em África que pensamos. Não na Ásia --  não na Índia, não em Timor, não em Macau – não na América, não no Brasil. África. É lá que se concentra a nostalgia e a amargura, a vergonha e o silêncio da história colonial portuguesa. É em África e naquilo que de África vive em nós e connosco que expiamos o misto de culpa, incompreensão, derrota e raiva que o pós-colonialismo transporta.

 

Caderno de Memórias Coloniais, de Isabela Figueiredo, editado recentemente, acrescenta, sob a forma de memórias de uma menina nascida em Moçambique (a autora veio de lá aos 12 anos, na grande leva dos “retornados” de 1975 – fenómeno ao qual se começa por mentir no nome que foi dado aos que chegavam, já que muitos “retornavam” a um país onde nunca tinham estado), mais um parágrafo na história não feita da colonização portuguesa. No livro, que num perfil feito sobre a autora para o DN crismei de “carta de amor a um pai racista”, narra-se sobretudo a relação de Isabela com o electricista grandalhão e mulherengo que adorava a filha única e a levava “para todo o lado” e que quando Portugal saiu ficou, com a mulher, enviando-a só no avião para a “metrópole”, onde durante 10 anos, até os pais regressarem, ela viveu de avó em tia, de terra em terra, num exílio de órfã de que ainda guarda cicatrizes.

 

É um retrato meigo e brutal, brutalmente meigo, assumido pela própria como uma quase traição. Chamar racista ao pai, assumir o racismo dos “colonos”, dos portugueses, dos moçambicanos brancos, do “sistema” – eis algo que garante polémica furiosa. Nos blogues, um universo ao qual Isabela pertence desde 2005 (com o blogue Mundo Perfeito, agora substituído pelo Novo Mundo) e onde iniciou a sua purga – a purga que estas memórias confessadamente são --, as reacções desagradáveis não se fizeram esperar. É normal: ao Público, Isabela afirmou que vê os massacres ocorridos em Setembro de 1974 – e nos quais não pereceu por mero acaso – como “justa retribuição”; ao DN disse que no país em que vivia se podia atropelar um negro e não ir para a prisão.

 

O mito do colonialismo doce, não racista (não demasiado racista, enfim – um bocadinho de racismo é visto como algo de normal, afinal há “eles” e “nós”) e sobretudo não violento dos portugueses custa a matar, mesmo se nada permite mantê-lo. Nada no passado e nada no presente. Nem em Portugal, onde todos os dias nos cruzamos com discursos e gestos incontroversamente racistas, nem nos lugares onde “estivemos” (nunca esquecer o plural, esta ideia de colectivo) e de onde “saímos” e agora “voltamos”. Moçambique, por exemplo. Fui lá em 1998, de férias, e até hoje não digeri a atitude generalizada de submissão dos negros face ao desabrido trato dos brancos. Mas, pior, não digeri o mimetismo que esta dualidade degradante imprime nos recém-chegados. “Qual a diferença entre um turista e um racista”, foi a pergunta que às tantas me fizeram, na galhofa. A resposta, “15 dias”, é uma espécie de profecia maldita. Sim, um branco em Moçambique está condenado a sentir incompreensão e impaciência, a questionar a dificuldade de comunicação e a estranheza das reacções. Sim, um branco português em Moçambique tem de escolher entre comprazer-se na superioridade ofertada ou martirizar-se na culpa.

 

Não é só a pobreza, não é só a miséria, não, nem sequer as abissais diferenças típicas do terceiro mundo. É o que, incrivelmente, se mantém (mantinha? Terá mudado em 12 anos o que não mudara em 23?) de um sistema de dominação, mais de 30 anos depois de ele ter sido – era suposto ter sido -- destruído, cancelado, desmantelado. É a vergonha de ver portugueses a tratar negros – todos os negros – por tu, como se os conhecessem de algum lado, como se fossem crianças. É a raiva de ouvir de sul-africanos “os negros daqui são submissos”, como se isso fosse uma qualidade. É a confusão de ser apanhado ali, sem aviso (não, ninguém nos prepara para isso), no meio da história. Da nossa história e dos seus demónios – tão pouco enfrentados, tão pouco exorcizados. E do que deles vive em nós, do que deles somos.   

 

(publicado na coluna 'sermões impossíveis' da notícias magazine de 24 de janeiro)

 

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media