Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

A pedra da paciência

No Afeganistão,  oito anos após a queda dos talibans, os mais elementares direitos são negados às mulheres, que são rotineiramente presas e encarceradas por «fugirem», pelo «crime» de adultério e por tantas outras coisas. No Afeganistão, onde a lei não reconhece o crime da violação e onde 70 a 80 por cento dos casamentos são forçados, qualquer mulher que se atreva a falar ou a agir para alterar este estado de coisas incorre,  na melhor das hipóteses, de abusos e ameaças, mas é mais vulgarmente assassinada.

 

«When you are outspoken and involved in political and social life you are bound to be the victim of attacks», segundo a Fauwzia Kufi, um membro do parlamento, citado num novo relatório da Human Rights Watch sobre a condição feminina no Afeganistão. «Olhem para os assassinatos, uma percentagem muito elevada são mulheres».

 

Uma parlamentar afegã explicou o que lhe aconteceu. «I had threatening phone calls and SMS messages. It was horrible. Once they said that in one week they would kidnap me. That was the scariest part, though probably they were just trying to demoralize me.... They said, “A woman like you is a black mark on our country’s forehead. You are [a] Christian, you are [an] infidel.” They think that women who talk about human rights are infidels


Dadas estas condições, os (raros) livros que retratam a vida das mulheres no Afeganistão, por exemplo, The Bookseller of Kabul da jornalista norueguesa Asne Seierstad ou os best sellers de  Khaled Hosseini The Kite Runner e A Thousand Splendid Suns, parecem histórias de horror pelas realidades que descrevem.  Acabei de ler um desses livros, quiçá ainda mais devastador  pela simplicidade brutal com que Atiq Rahimi, autor de outro livro indispensável, o «Terra e cinzas», levanta o véu sobre a opressão esmagadora sobre as mulheres afegãs.

 

O livro conta a história da mulher de um afegão, que foi soldado toda a sua vida adulta, dos Mujahedin primeiro e depois dos taliban, que ficou num estado catatónico num dos conflitos tribais que são a constante na história desta terra massacrada pela guerra. A heroína cuida do marido e recita-lhe versos do Corão: sem assistência médica, apenas a fé permanece. Mas a fé dela foi desvanecendo ao longo dos anos e, agora que o marido não pode falar, a mulher sem nome ousa dar voz aos seus pensamentos, sem saber se o marido a ouve, sem saber se arrisca a vida com as confidências..

 

Ocasionalmente, a guerra passa no exterior ou através da casa onde toda a acção se desenrola: morteiros, tanques, soldados que vêm e vão, matam, roubam e seguem em frente. A mulher continua, põe de lado o Corão e continua a interpelar o marido num crescendo que começa  frustrado e desesperada e termina rebelde. Assim, o marido torna-se o Sang-e-Saboor, a mágica  pedra da paciência que dá nome ao livro que, segundo o folclore persa absorve a dor daqueles que nela confiam, até que finalmente explode. E a explosão é absolutamente desconcertante...

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media