Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

o mito da baixa

A Baixa de Lisboa, como a do Porto, foram decretadas, no discurso politico e mediático correntes, como “desertos”. Voltámos a ouvir essa certeza na boca de todos os candidatos à autarquia da capital e a atestá-la na justificação do dono da Loja das Meias, talvez o mais emblemático dos estabelecimentos comerciais da Baixa, para fechar. Ouviu-se até, nas notícias sobre este encerramento, a velha ladainha sobre as ruas do centro serem, a partir das sete da tarde, “um deserto”. Às sete da tarde, por acaso, a esmagadora maioria das lojas e cafés da Baixa fecham. Mas, claro, era de esperar que as ruas se mantivessem cheias, como estão durante todo o dia. De facto, só quem nunca passa na Baixa, nomeadamente na Rua Augusta (onde se situa a Loja das Meias) pode dizer que esta zona é um deserto, quando se trata, com toda a evidência, de uma das mais frequentadas da cidade. Quanto a alegar que deixou de ser uma zona comercialmente atractiva, bom, é ver a quantidade de lojas de grandes cadeias, como a Zara, a H&M e a Fnac que nos últimos anos ali se instalaram. Terá sido por obrigação ou espírito cívico, ou mesmo para vender? A Zara tem duas enormes lojas na Rua Augusta. Duas. E a empresa que detém a Zara abriu ali vários outros estabelecimentos de outras suas marcas. Parece que para estes estabelecimentos, abertos todos os dias da semana até às 7.30 (excepto ao domingo), a Baixa é do melhor. Talvez, pois, tenhamos que concluir que as razões do fecho da Loja das Meias têm pouco a ver com a tal de “desertificação”. Aliás, note-se que quando se fala deste suposto estado da Baixa se está a referir a ausência de habitantes. A Baixa seria uma deserto à noite por não ter habitantes. Curioso, mais uma vez. Experimente-se passear às nove da noite na Lapa, bairro do centro de Lisboa onde ninguém contesta a ocupação quase absoluta do edificado com habitação – e habitada. Milhares de pessoas na rua, hã? E em Carnaxide ou Rio de Mouro, é festanças ao ar livre até às tantas – como se sabe. Onde serão esses tais bairros onde há “animação” na rua de noite? Não serão aqueles, como o Bairro Alto, onde a restauração abunda e o comércio abre à noite? E quem será que enche as ruas, os restaurantes, os bares, as lojas? Os habitantes do Bairro Alto ou visitantes?

O mesmo tipo de raciocínio viciado se aplica ao “repovoamento” da Baixa quando se defende que é necessário oferecer “habitação a custos controlados” para atrair os jovens. É, mais uma vez, desconhecer o facto de na última década a Baixa ter atraído, sem planos nem oferecimentos, muitos novos habitantes, na maioria entre os 25 e os 40 anos, que pagaram os preços de mercado e, em muitos dos casos, se encarregaram da reabilitação do edificado. O que a Baixa precisa para atrair mais gente e se manter viva não é, assim, choradinhos miserabilistas e ignaros nem “custos controlados”, mas intervenções ambientais e urbanísticas por parte da autarquia, no sentido de tornar a vida menos árdua a quem ali se instale. Menos tráfego e menos poluição e menos carros em cima dos passeios, uma via pública cuidada – e não, como agora, uma paródia de desmazelo absoluto –, uma recolha adequada de resíduos, e uma linha de financiamento específica – eficaz e célere, ao contrário das que existem -- para a realibilitação de edificado. E, naturalmente, comércio do século XXI, que se esforce por acompanhar e antecipar as necessidades dos potenciais clientes, em vez de culpar tudo todos da sua própria inépcia. (publicado na coluna Sermões Impossíveis da Notícias Magazine de 29 de Julho)

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media