Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

ai ai ai minha machadinha

É uma velha canção popular, a história de uma machadinha a quem o dono acusa de ter-se deixado nomear por outro: “Aiaiai minha machadinha/quem te pôs o nome sabendo que és minha”. Responde a machadinha: “Ai se tu és minha também eu sou tua/salta a machadinha para o meio da rua”. Lembrei-me dela a propósito de uma conversa com colegas do jornal. Uma, recém casada, comentou o facto de ter ficado com o nome do marido. Outro, que vai casar, certificou que gostaria muito que a namorada usasse o dele. Quando questionado sobre o porquê do desejo, hesita: “É uma tradição”. O facto de a lei permitir a “troca” de nomes não os estremece. “O meu nome já é muito comprido”, esclarece ele; a recém-casada afiança que isso – o marido ficar com o nome dela -- nem lhe ocorreu. Apesar de andarem nos trinta anos, os dois estão longe de constituir caso raro: conheço muita gente dessa idade, incluindo mulheres de postura dita “independente” e “feminista” e homens “avançados” que no momento de casar assumem a tal da “tradição”. “É uma coisa tão normal”, diz a minha colega, com um encolher de ombros. “Não percebo sequer por que há-de ser uma questão para alguém”. É uma forma curiosa de ver as coisas. Afinal, que há de “normal” em apenas um dos membros de um casal assumir o apelido do outro, e de essa “normalidade” ser determinada em função do sexo? Que haverá de “normal” no facto de aos homens, modo geral, não passar pela cabeça assumir o nome da mulher, mas fazerem tanta questão em que ela assuma o deles?

Conheço casos em que houve aceso debate, no qual o membro masculino do casal argumentava ser uma desconsideração a eventual resistência à adopção do seu nome. Ora, e parafraseando Shakespeare, o que há num nome? Desde logo, um certificado de identidade: eu sou o meu nome. Não há ninguém que não reaja com estranheza ou mesmo agressividade se depara com uma troca, pronunciação ou grafia errada do seu. Assumir a identidade de outrem passa geralmente por “roubar o nome” e fugir à sua por assumir “um nome falso”. Por outro lado, apôr o nome a algo ou alguém é uma afirmação de autoridade e posse, controlo e ascendência. Num interessante jogo de palavras, o psicanalista francês Jacques Lacan assimilou “o nome do pai” ao “não do pai” (o trocadilho só funciona em francês: “le nom du pére/ le non du pére”). Não surpreende que alguém que ama queira certificar de forma ostentatória o vínculo com o objecto ou ser amado. Que outra coisa é a aliança, senão um símbolo anunciado de uma união que é também uma pertença que exclui (supostamente) outras uniões da mesma natureza? Mas, ao contrário da aliança, que é usada pelo dois membros do casal, a transferência do apelido é vista como uma operação não recíproca. Quantas vezes se leu ou ouviu que no casamento “a mulher ‘perde’ o nome de solteira”? Que esta operação de anulação simbólica da identidade surja ainda hoje como “normal” e fruto de um tão arreigado desejo masculino (cuja génese os homens, ao apresentar “o costume” como alibi, parecem ter dificuldade em racionalizar/explicar) devia fazer reflectir sobre a forma como a dominação patriarcal e a submissão feminina permanecem, apesar de estabelecida na lei a igualdade, no cerne das relações entre homens e mulheres, emergindo de modo tão claro naquele que é apresentado como o momento mais romântico do compromisso entre duas pessoas. (texto publicado na coluna 'Sermões impossíveis' da Notícias Magazine de 5 de Agosto -- o texto Malacuecos, publicado uns posts abaixo, saiu a 12 e não a 5, como escrevi)

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media