Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Totalitarismos, vitimização e enviesamento de confirmação

Bernard Shaw descreveu o Sermão da Montanha, onde abundam avisos das «perseguições» de que seriam alvos os seguidores da nova religião, como «uma explosão impraticável de anarquismo e de sentimentalismo». Já Nietzsche, na Geneologia da Moral, afirmava que «o cristianismo (ou a moralidade dos escravos) necessita um ambiente hostil para funcionar, a sua acção é fundamentalmente reacção».

 

Quiçá pela influência judaico-cristã na nossa cultura, esta necessidade de vitimização, de invenção de perseguições sortidas e de mártires pela causa, não se restringe aos crentes que satisfazem a ilusão de serem automaticamente abençoados e merecedores do reino dos céus, como preconizado  em Mateus 5:10-12, quando carpem como insulto, por exemplo, qualquer texto sobre religião. Assim como explica a inacção de tantos que apenas vemos em reacção vigorosa a perseguições efabuladas. De facto, o clima que se vive actualmente no país denota esta influência cultural perniciosa assim como ilustra os ingredientes necessários à eclosão de totalitarismos sortidos, que assentam em três pilares:

 

1) A detenção de uma verdade «absoluta», à qual todos se devem submeter, mesmo os descrentes nesta suposta verdade;
2) A certeza num destino glorioso para os justos/eleitos;
3) Um grande inimigo que é necessário diabolizar, sendo a suposta perseguição por este inimigo o nexus da angariação e fidelização de seguidores.


De facto, um inimigo sob o qual estão sob ataque constante os «justos» ou eleitos é indispensável a qualquer totalitarismo, seja ele religioso ou ideológico/político, um inimigo que pode ser responsabilizado por todos os males da sociedade e cujo combate exige a mobilização permanente dos eleitos. Para completar o quadro, é necessário convencer o rebanho de conformistas que este inimigo está sempre a postos para os perseguir, pois domina a cena financeira/política e controla os meios de comunicação. Este último ponto aposta no enviesamento de confirmação* e é indispensável na era da comunicação para imunizar os mais incautos em relação a qualquer crítica. Assim, importa atribuir tudo o que é dito de negativo sobre as respectivas doutrinas - e de positivo sobre o inimigo - a manobras manipuladoras desse inimigo omnipresente.

 

Assim, todos os totalitarismos, religiosos ou políticos, dividem a humanidade entre nós e eles, «justos» e malvados, consoante a obediência ou não a estas verdades «absolutas», invocam calamidades sortidas, na Terra ou no Céu, se as suas verdades não forem acatadas e consideram a sua a forma suprema de justiça. Para todos os totalitarismos, o destino do homem livre e racional, o seu grande inimigo, é a perdição. Ou seja, pervertem o conceito de liberdade como pervertem o conceito de justiça ao pregarem que só a obediência cega, a Deus ou a outra qualquer invenção totalitária, ou a desconfiança, cega também, dos outros, conduz à liberdade. E apelidam de democracia amordaçada ou ditadura, do relativismo ou afins, a verdadeira liberdade!

 

*O Enviesamento de confirmação (confirmatory ou confirmation bias) é o tipo de pensamento selectivo que caracteriza aqueles que têm  tendência para procurar informação que confirme a sua opinião já formada e ignoram tudo o que contradiga essa opinião.  Esta tendência, já descrita no século XVII por Francis Bacon, o «pai» do método científico moderno, é alternativamente designada por Demónio de Morton, um «demónio que é melhor que uns óculos de lentes cor de rosa» e faz as pessoas por ele possuídas «sentirem-se moralmente superiores».

32 comentários

Comentar post

Pág. 2/2

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media