Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Totalitarismos, vitimização e enviesamento de confirmação

Bernard Shaw descreveu o Sermão da Montanha, onde abundam avisos das «perseguições» de que seriam alvos os seguidores da nova religião, como «uma explosão impraticável de anarquismo e de sentimentalismo». Já Nietzsche, na Geneologia da Moral, afirmava que «o cristianismo (ou a moralidade dos escravos) necessita um ambiente hostil para funcionar, a sua acção é fundamentalmente reacção».

 

Quiçá pela influência judaico-cristã na nossa cultura, esta necessidade de vitimização, de invenção de perseguições sortidas e de mártires pela causa, não se restringe aos crentes que satisfazem a ilusão de serem automaticamente abençoados e merecedores do reino dos céus, como preconizado  em Mateus 5:10-12, quando carpem como insulto, por exemplo, qualquer texto sobre religião. Assim como explica a inacção de tantos que apenas vemos em reacção vigorosa a perseguições efabuladas. De facto, o clima que se vive actualmente no país denota esta influência cultural perniciosa assim como ilustra os ingredientes necessários à eclosão de totalitarismos sortidos, que assentam em três pilares:

 

1) A detenção de uma verdade «absoluta», à qual todos se devem submeter, mesmo os descrentes nesta suposta verdade;
2) A certeza num destino glorioso para os justos/eleitos;
3) Um grande inimigo que é necessário diabolizar, sendo a suposta perseguição por este inimigo o nexus da angariação e fidelização de seguidores.


De facto, um inimigo sob o qual estão sob ataque constante os «justos» ou eleitos é indispensável a qualquer totalitarismo, seja ele religioso ou ideológico/político, um inimigo que pode ser responsabilizado por todos os males da sociedade e cujo combate exige a mobilização permanente dos eleitos. Para completar o quadro, é necessário convencer o rebanho de conformistas que este inimigo está sempre a postos para os perseguir, pois domina a cena financeira/política e controla os meios de comunicação. Este último ponto aposta no enviesamento de confirmação* e é indispensável na era da comunicação para imunizar os mais incautos em relação a qualquer crítica. Assim, importa atribuir tudo o que é dito de negativo sobre as respectivas doutrinas - e de positivo sobre o inimigo - a manobras manipuladoras desse inimigo omnipresente.

 

Assim, todos os totalitarismos, religiosos ou políticos, dividem a humanidade entre nós e eles, «justos» e malvados, consoante a obediência ou não a estas verdades «absolutas», invocam calamidades sortidas, na Terra ou no Céu, se as suas verdades não forem acatadas e consideram a sua a forma suprema de justiça. Para todos os totalitarismos, o destino do homem livre e racional, o seu grande inimigo, é a perdição. Ou seja, pervertem o conceito de liberdade como pervertem o conceito de justiça ao pregarem que só a obediência cega, a Deus ou a outra qualquer invenção totalitária, ou a desconfiança, cega também, dos outros, conduz à liberdade. E apelidam de democracia amordaçada ou ditadura, do relativismo ou afins, a verdadeira liberdade!

 

*O Enviesamento de confirmação (confirmatory ou confirmation bias) é o tipo de pensamento selectivo que caracteriza aqueles que têm  tendência para procurar informação que confirme a sua opinião já formada e ignoram tudo o que contradiga essa opinião.  Esta tendência, já descrita no século XVII por Francis Bacon, o «pai» do método científico moderno, é alternativamente designada por Demónio de Morton, um «demónio que é melhor que uns óculos de lentes cor de rosa» e faz as pessoas por ele possuídas «sentirem-se moralmente superiores».

1 comentário

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media