Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Fora da lei

(Parte 1, Parte 3 e Parte 4 do documentário da BBC Sex crimes and the Vatican)

 

Apenas há dias, com o escândalo da pedofilia bem presente nas páginas dos jornais, o padre alemão condenado por abusar sexualmente de crianças, em 1986, foi afastado das funções por, alegadamente, ter quebrado o acordo de 2008 com a Igreja que o proibia de trabalhar com crianças. Em Itália comenta-se que o religioso passou por um acampamento infantil na Baviera, no sul da Alemanha.

 

A decisão acontece mais de 30 anos depois de a Igreja Católica tomar conhecimento das primeiras acusações de abuso sexual de menores envolvendo o religioso. O caso ganhou repercussão mundial porque o actual papa, Joseph Ratzinger, era bispo na arquidiocese de Munique e Freising em 1980 quando a comunidade aprovou e recebeu a transferência de Hullermann, que tinha sido acusado (e tinha admitido) de abusar sexualmente de crianças na diocese de Essen, inclusive forçando um menino de 11 anos a fazer sexo oral.

 

O Vaticano nega que o Papa tivesse conhecimento de que Peter Hullerman fora autorizado a continuar o trabalho pastoral na sua arquidiocese enquanto fazia terapia para o «problema» e o segundo em comando de Ratzinger na altura assumiu todas as responsabilidades pela decisão. O seu actual segundo em comando fala em conspiração contra a Igreja Católica. «Os fiéis ainda acreditam na Igreja Católica. Mas também se alguém está a tentar minar esta confiança, a Igreja conta com uma ajuda especial de Deus lá em cima», disse o cardeal Tracisio Bertone.

 

Mas o New York Times informa-nos hoje que Joseph Ratzinger acompanhou o caso do padre pedófilo na Alemanha mais de perto do que as alegações do Vaticano afirmam. Ratzinger recebeu um duplicado do memorando que informava que o padre voltaria ao trabalho pastoral dias depois de ter iniciado o tratamento. Este memorando, confirmado por dois oficiais da Igreja, indica ainda que o actual Papa conduziu a reunião de 15 de Janeiro de 1980 que aprovou a transferência do padre assumidamente pedófilo. Ou seja, a Igreja mentiu e mentiu o padre Gerhard Gruber que assumiu as culpas por algo que não fez para proteger a reputação do seu Papa e da sua Igreja.

 

E é esta premeditação mentirosa que está em causa. Os actos pedófilos cometidos por padres e demais religiosos são crimes individuais mas a ICAR, ao longo de décadas, não só não denunciou estes crimes como encobriu, protegeu e fez tudo para evitar que fossem investigados pelas autoridades policiais, inclusive coagiu as vítimas e demais envolvidos a votos de silêncio para não «manchar» a reputação da Igreja.

 

Este encobrimento é um crime que muitos tentam desculpar dizendo que apenas recentemente se descobriu que a pedofilia era um crime abominável. Não só estas desculpas me parecem contraproducentes numa Igreja que carpe o relativismo moral das sociedades que não aceitam as verdades «eternas e absolutas» de que a ICAR é detentora como me parece que o comportamento dos últimos tempos nos indica que o problema é outro: a ICAR quer ser ela a impor as leis a todos e não aceita ser regida por leis seculares. Assim, na Alemanha, onde o escândalo começa a assumir proporções semelhantes às que abalaram a ICAR americana, os bispos ficaram muito ofendidos com as acusações de encobrimento que lhes dirigiu Sabine Leutheusser-Schnarrenberger, a ministra de Justiça, e o seu pedido de colaboração da Igreja com os procuradores estatais foi recebido como um atentado à independência da Igreja.

 

Assim, embora tenha seguido a indicação da Fernanda e lido atentamente a crónica de Anselmo Borges, parece-me que, embora certeira no que à hipocrisia moralista diz respeito, ela ilude o problema principal: a Igreja não deve apenas «reparar os males feitos e de uma nova atenção para que esta situação desgraçada nunca mais se repita, o que implica, por exemplo, uma atenção renovada no recrutamento de novos padres». A Igreja precisa de responder pelos seus crimes para perceber, de uma vez por todas, que não está acima da lei.

43 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media