Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Sobre quem perdeu as eleições no PSD: Rangel e os seus apoiantes - pequena nota

Paulo Rangel fala bem, articula o discurso, surge seguro a falar sobre os temas que lhe são caros. Depois, pretende passar uma imagem de estadista, de homem sério, falou de ruptura (suponho que também com a isolada Manuela Ferreira Leite, de quem é sócio na derrota) , o que foi tão elogiado por Pacheco Pereira, e por outros seus apoiantes, gente que escreve muito sobre decência na política, sobre o horror que tem à demagogia, pois, gente que procura políticos sérios, que não mintam, que não distraiam os portugueses do que realmente os preocupa, gente que despreza, com linguagem do pior do PREC, quem com eles se atreve a discordar.

Tudo por Rangel, nada contra Rangel, como é seu timbre.

Embora reconheça as qualidades acima descritas a Rangel, há factos que não esqueço, e que me espanta serem indiferentes aos moralistas do regime.

Não me esqueço que em 2001 foi aprovada a lei de programação militar, uma lei orgânica, e que o Presidente da AR  transmitiu ao PR,  Jorge Sampaio, como tendo sido aprovada com o quórum necessário, de acordo com a Acta. Ainda não existia votação electrónica. De repente as televisões mostraram uma alegada falta de quórum, o que faria da lei uma lei inexistente.

Qualquer jurista ou político com um mínimo sentido institucional sabe que Jorge Sampaio não poderia promulgar a lei olhando para a televisão a contar cabeças. Não lhe compete. Fez o que tinha de fazer. Confiou na palavra do Presidente da AR que fez fé sobre a Acta daquele dia e promulgou  alei, ou teria de chamar de mentiroso ao PAR e, talvez, não sei, dissolver a AR.

Que fez o estadista Rangel, sendo certo que neste caso pode haver fiscalização preventiva da lei? Foi institucional, teve razoabilidade, cuidou da calmia entre os órgãos de soberania? Não: pediu a demissão de Jorge Sampaio. Este foi o primeiro dia do retrato de Rangel.

Mais tarde, revela-se um traidor, o que é uma boa qualidade para vir a ser PM. Candidatou-se, passando a perna a Aguiar-Branco, contra o que tinha sido combinado. Mas que mal tem isso, não é? O outro (futuro candidato) estava (só) ocupado com o orçamento, dava tanto jeito dizer que sim, que só se canditaria depois, mentir e e antecipar a candidatura, que mal há em não se ser confiável? Em que é que isto pesa quando escolhemos apoiar um candidato?

Rangel mostrou o seu sentido de estado máximo, o seu rigor, todo o esplendor, quando, em pleno Parlamento Europeu, afirmou que Portugal já não era um Estado de direito. A afirmaçao é especialmente arrojada quando em debate anterior defendera que esse tipo de Estado existe na Itália de Berlusconi.

Dos outros não sei. Sei de mim e tudo isto diz-me bastante sobre Rangel. E diz-me bastante sobre quem o apoiou e sobre os escritos acusatórios, totalitários, ameaçadores para outros, dessa mesma gente.

7 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media