Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Irão, um ano depois

 

Há exactamente 1 ano, a 15 de Junho de 2009, o mundo viu uma onda verde que alastrava no Irão em consequência das fraudulentas eleições de 12 de Junho. Hoje, o dia é recordado com amargura pela brutal reacção do regime islâmico contra o seu próprio povo, por exemplo pelo correspondente da  Newsweek detido e torturado na infame prisão de Evin, durante quase 4 meses, desde 21 de Junho. Maziar Bahari conta finalmente a sua história no mesmo dia em que o Guardian apresenta o resultado de dois meses de investigação junto a elementos da Guarda Revolucionária e o Washington Post especula sobre o que poderia ter acontecido se Obama tivesse apoiado a onda verde.

 

A realidade é demasiado dura para especulações no relatório recentemente divulgado pela Amnistia Internacional. Intitulado «From protest to prison: Iran one year after the election»,  o documento descreve em detalhe as consequências das eleições contestadas.

 

Pelo menos 80 pessoas morreram nas ruas do Irão ou na prisão durante os protestos do Verão passado. O número real de vítimas poderá ser muito maior ainda. Actualmente, pelo menos seis presos políticos aguardam execução, condenados como mohareb (inimigos de Deus) pelo seu papel nas manifestações. Até à data da elaboração do relatório, a AI registou 115 execuções políticas no Irão. Centenas de jornalistas, estudantes e activistas políticos atrás das grades. Mas eles não estão sozinhos; advogados, professores universitários, ex-presos políticos e membros de minorias étnicas e religiosas sentiram o peso da repressão também. Apenas no sábado, foram presas mais 900 pessoas para prevenir manifestações contestárias das eleições roubadas.

 

Mas embora aparentemente o movimento verde tenha sido esmagado pelo regime e não tenha conseguido estabelecer o seu objectivo, repor a verdade das urnas, na realidade continua a promessa que sempre foi: o despertar de um Irão livre face à verdadeira face de uma teocracia.

 

Os Verdes conseguiram algo ainda mais improvável e difícil: enfraquecer a legitimidade de um regime que inicialmente não contestavam. Antes de Junho de 2009, apenas alguns, muito poucos, iranianos se atreviam a dizer que o líder supremo Khamenei é um vigarista, um número significativo agora duvida da sua probidade. Esse número não é por enquanto a maioria, mas é uma minoria vocal. Ou seja, se não conseguiram o seu objectivo de curto prazo, o reconhecimento da vitória de Mousavi, a brutalidade da retaliação do regime a essa legítima aspiração alicerçou um movimento social que terá certamente resultados a médio/longo prazo.

 

O regime iraniano é um regime que, agora, depende mais do poder (isto é, da imposição dos seus ditames pela força) do que da autoridade (a certeza de que uma ordem será obedecida voluntariamente). E os regimes sustentados por força bruta são sempre mais difíceis de manter do que aqueles baseados em autoridade.

1 comentário

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media