Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

...

Isto não é assunto para divisões primárias entre esquerda e direita, isto não é assunto para barricadas, com a esquerda com Sócrates, e a direita com Cavaco. Isto é demasiado importante para isso. Está em causa algo superior ao "direita vs. esquerda", escreve o Henrique Raposo e eu concordo em absoluto.

Ó diabo, Filipe

"Esta" jugular de nome Ana sempre o relembra que o MMS é um meio auxiliar de diagnóstico usado para despistar alterações cognitivas no contexto de diferentes nosologias. Vindo de um leigo a coisa passa, mas de si...

 

Anda muito irritadiço e hiperinclusivo, Filipe, a comparar o incomparável e a extrapolar o não extrapolável, acalme-se.

As dúvidas do Presidente e o Exterminador Implacável

Ainda mal refeita da vergonha que senti ontem, eis se não quando  abro as páginas virtuais do Público e deparo com um editorial tão nonsense (e info-excluído) quanto as declarações à comunicação social do presidente supostamente de todos os portugueses.  Realço a parte que me surpreende, pela total tolice:

 

«E a seguir acrescentou que essa publicação desse e-mail privado lhe suscitou a seguinte dúvida: 'Será possível alguém do exterior entrar no meu computador e conhecer os meus e-mails? Estará a informação confidencial contida nos computadores da Presidência da República suficientemente protegida?'»

 

Presumo que o presidente, que não lê jornais e apenas ontem consultou «especialistas» sobre o tema, não saiba que ninguém está livre de ataques de hackers, nem mesmo a Casa Branca ou o Pentágono.

 

Estados de alma

"O Presidente da República confessou ao país ter dúvidas (só isso já é grave) sobre a possibilidade de estar a ser vigiado, espiado ou escutado. Imagina-se, ou sabe-se, como é óbvio, por quem. Não me recordo de nenhum Presidente da República ter confessado semelhantes receios."

 

Vasco Lobo Xavier, Mar Salgado

 

Parece-me evidente que o presidente está receoso. Só não percebo onde é que o Vasco viu o Presidente dizer que o tinha dúvidas sobre a possibilidade de estar a ser vigiado, espiado ou escutado por quem quer que seja. O presidente limitou-se a dizer o seguinte: fiquei a saber que, se alguém quisesse espiar-me (o PS, a CIA, a Mossad, a Al Qaeda ou o Clube recreativo de Rádio Amadores do Sardoal), poderia facilmente fazê-lo porque o sistema informático da presidência apresenta vulnerabilidades. Ora, dizer isto não é bem a mesma coisa que implicar o PS no que quer que seja, pois não? O Vasco (e outros) acham que é tudo igual e acham também que o presidente, hoje, transformou um receio, uma intuição, uma vaga sensação numa sólida acusação fundamentada na revelação de que existem vulnerabilidades no sistema. Mas há um enorme salto lógico entre possibilidade técnica de escutas (por falha, negligência ou incompetência dos serviços da própria presidência) e a existência de indícios de que o PS possa estar empenhado em explorar essas mesmas vulnerabilidades.

 

O presidente pode achar o que quiser — a sua vida emocional é uma questão estritamente privada. O problema é quando transformamos um (alegado) estado emocional numa  acusação contra o PS. Há aqui uma coisa que eu não percebo: em que medida é que um estado de espírito, por si só, fundamenta uma acusação? Pior, em que medida é que um alegado mas nunca confirmado estado de espírito do Presidente (é preciso recordar que o presidente nunca disse que achava estar a ser escutado, aliás, chegou mesmo a dizer nunca se ter referido a escutas) constitui uma prova contra o PS? Que eu saiba, e até prova em contrário, o (alegado) receio de Cavaco prova apenas uma coisa: a paranóia de alguns críticos do PS. Ou então, se Cavaco achar mesmo que está sob escuta, e se se limitar a achar desvalorizando a fundamentação racional desse estado de espírito, a paranóia vai mais longe assola o próprio Presidente. Enquanto não sairmos do "achismo", da "verdade intuida" estamos, apenas e só, perante estados de alma que envolvem apenas quem os tem. Será preciso recordar que  as eleições foram no Domingo, que o PS as venceu e que 71% dos portugueses rejeitaram a Verdade e a tese da Asfixia Democrática?

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media