Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

Não compreender a história condena-nos a repeti-la

Parece que Merkel, Sarkozy e companhia estão empenhados em recriar o padrão ouro. Sem o ouro, é certo, mas com regras e penalizações suficientemente apertadas para transformar o euro, em termos funcionais, num regime equivalente ao padrão ouro. O governo português, liderado, de facto, por Vítor Gaspar, aplaude. O BCE, criado à imagem do Bundesbank, também. Perante os actuais níveis de desemprego e o risco de recessão a Zona Euro tem como grande objectivo continuar a fazer o que tem feito mas agora de forma ainda mais radical. E tudo para gerar aquela confiança que, vá-se lá saber porquê, teima em não aparecer. Continuamos nos anos 30, desta vez com ainda mais convicção. Não compreender a história condena-nos a repeti-la. Estamos entregues a indendiários.

Empobrecer não permite crescer

No blog Massa Monetária, Pedro Romano escreve sobre o sucesso da Irlanda:

A "desvalorização real" por que as economias da periferia estão a passar tem conduzido a resultados substancialmente diferentes consoante os casos. Se na Grécia a pressão exercida pelo desemprego galopante não parece suficiente para reduzir os salários (e preços internos), na Irlanda o processo foi rápido e robusto. Em apenas três anos, a economia irlandesa reduziu em cerca de 12% os seus Custos Unitários do Trabalho (CUT) e parece ter readquirido a competitividade externa suficiente para voltar a crescer.

De acordo com esta teoria, a Irlanda é um 'sucesso' porque conseguiu reduzir mais os seus CUT do que a Espanha, Portugal e a Grécia. Seria expectável que este 'sucesso' se traduzisse num forte crescimento das exportações. É isso que diz a teoria; mas não é isso que nos mostra a realidade:

Despite being the strong point of the economy, Ireland’s export growth ranked as the second lowest in the EU last year, according to figures published yesterday.  The information from Eurostat — the European Commission’s statistical unit — revealed that the 5% growth to €81.2 billion seen in Irish exports last year was higher only than that of Luxembourg and less than the 6% export increase seen in Greece. Furthermore, Ireland and Greece were the only countries to see an import decline last year, of 1% and 22%, respectively.(aqui)

Depois do 'sucesso' de 2010, a OCDE prevê que, em 2011, as exportações Irlandesas cresçam 4%, o que compara com os 7,1% de Portugal, os 7,9% da Grécia e os 9.1% de Espanha.

 

Estes dados são importantes porque parecem desmentir a teoria de crescimento pressuposta nos programas de ajustamento que estão actualmente em curso nos países periféricos. Sim, é verdade que a Irlanda já está a crescer, mas este resultado não tem qualquer relação com o actual programa de ajustamento; é explicado, isso sim, pelo facto do sector exportador irlandês valer 90% do PIB. O 'sucesso' irlandês é, pois, explicado por aquilo que a Irlanda é, não por causa daquilo que está hoje a fazer. A Irlanda cresce apesar do programa que está a implementar, não por causa deste.

 

As míticas reformas estruturais são isso mesmo: um mito. Não criam quaisquer condições para um crescimento sustentável. Se a redução dos CUT não tem qualquer relação com as exportações, algo de semelhante se passa na relação entre flexibilização do mercado de trabalho e o desemprego. Por muito que algumas teorias continuem a dizer que sim, basta olhar para os dados sobre desemprego, desemprego de longa duração e desemprego jovem na Irlanda, nos EUA e em Inglaterra para perceber que, no contexto actual, a flexibilização do mercado de trabalho não resolve nenhum problema (se é que alguma vez resolveu). A desvalorização interna a que os chamados países periféricos estão a ser sujeitos é um mero ideal teórico que não constrói nada. Ao contrário do que pensa Passos Coelho, trata-se de um passo atrás que não permite dar qualquer passo em frente, porque não há nada nestes programas que compense o aumento do desemprego, a redução do consumo, o corte dos salários e a queda do investimento. Empobrecer é isso mesmo. E apenas isso.

Pág. 19/19

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media