Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Em defesa da memória

A implantação da República foi um bambúrrio, diz-se. Mas não se esqueçam de que tudo estava preparado por dentro para esse bambúrrio ... bastou o estrondo para desabar o trono. Raul Brandão- (na foto, José Relvas proclama a República à varanda dos Paços do Concelho em Lisboa)

Durante a minha estadia nos Estados Unidos, fiquei surpreendida pelo conhecimento de história do país demonstrado pelos meus colegas de laboratório, conhecimento adquirido nas aulas de História no ensino básico e secundário. É certo que para muitos a História norte americana iniciava-se com a colonização europeia do continente e visitei no Arizona ruínas «pré-históricas» dos Hohokam ou Anasazi que descobri serem datadas dos século XIV-XV. Mas durante as celebrações do 4 de Julho pude confirmar que todos sabiam exactamente e com todos os pormenores o que se tinha passado nesse dia no ano de 1776, data em que o Segundo Congresso declarou oficialmente a independência das Treze Colónias e sabiam que em 3 de Setembro de 1783 o Reino Unido reconhecera oficialmente a derrota no Tratado de Paris. Hoje, a escassos meses da data que assinala os 100 anos da república, pergunto-me quantos de nós se inquiridos poderiam responder com a desenvoltura dos meus amigos americanos sobre os detalhes da data que se assinala.

 

Não sei qual será a experiência dos nossos leitores, mas pessoalmente contei a disciplina de História entre as minhas favoritas nos graus de ensino em que me foi ministrada, até ao actual 9º ano e em conjunto com Geografia. Aprendi imenso sobre a Antiguidade Clássica, decorei nomes e cognomes dos primeiros reis de Portugal mas a minha História detalhada parou na Restauração. Depois de 1640, o curriculo da época incluía apenas uma breve incursão pelos «horrores» pombalinos. História de Portugal nos séculos XIX e XX era um buraco no currículo que mesmo a minha irmã, que se licenciou em História, não preencheu totalmente na Faculdade.Durante muitos anos, as reminiscências do meu avô materno, que nasceu em 1900 nas imediações de Mafra, eram a única fonte de informação sobre o porquê de um feriado uns dias depois de as aulas começarem.

A dois meses do centenário da República, praticamente a única alteração a este panorama é que hoje em dia não há avós vivos que recoredem presencialmente  o 5 de Outubro.  António José Saraiva, que não é nem pouco mais ou menos o meu historiador preferido, escrevia em 1960 no número do Seara Nova que assinalava o cinquentenário da república:

“Como hoje em dia acontece com a maioria dos Portugueses, quase só conheço o regime que vigorou em Portugal de 1910 a 1926 por ouvir falar. As palavras dos seus inimigos, a persistência, apesar de tudo, de uma parte das instituições criadas por aquele regime, fazem-me no entanto conceber uma admiração mal definida por essa República democrática que foi das primeiras a aparecer na Europa (...)
Já é tempo enfim de sabermos o que foi a República de 1910 a 1926. Nada de bom resulta de se lhe atirarem pedras, e não é bastante, também, cobri-la de flores. Mais alguma coisa é preciso: que os historiadores se ocupem dela».

No post do Rui, rapidamente se viram os inimigos que se devotam até hoje a atirar pedras e a vilipendiar o espírito de liberdade e progresso que norteou a 1ª República.  Felizmente não só os historiadores começam, finalmente, a acupar-se dela como começam a ser (re)publicados alguns livros fundamentais para a compreensão deste período conturbado da História nacional, que continua neglicenciado nos curricula do secundário. Um destes livros foi escrito por um dos actores principais do 5 de Outubro,  «A Revolução Portuguesa 1907-1910», escrito por António Maria de Azevedo Machado Santos, o herói da Rotunda. Reeditado pela Sextante com prefácio de António Reis, do livro, uma das fontes fundamentais para a compreensão da História da implantação da República, existiam até há 3 anos apenas os exemplares da edição de 1911, alguns exemplares facsimilados editados por alfarrabistas e os magros 2500 exemplares da reedição de 1982 pela Assírio e Alvim, prefaciados por Joel Serrão.

Nele encontramos um relatório factual dos acontecimentos ocorridos entre a noite de 3 e a épica manhã de 5 de Outubro em que Machado Santos, com os seus nove sargentos, umas escassas centenas de militares e alguns civis, resistiu na Rotunda ao que parecia a derrota certa das forças republicanas.

Por um bambúrrio de sorte e por mercê do encarregado dos negócios da Alemanha, às oito e trinta da manhã, Machado Santos desceu a Avenida a caminho do quartel-general monárquico instalado no Palácio do Almada, no Largo de S. Domingos. A República foi proclamada às 8h44mn do dia 5 de Outubro de 1910.

Mas este bambúrrio foi de facto apenas o estrondo que faltava para fazer desabar o trono. Ler Machado Santos será certamente necessário para se perceber em detalhe os acontecimentos do dia que em breve celebraremos. Mas o que urge para que não se esvazie a memória, o primeiro passo para a sua deturpação, é perceber porque qualquer estrondo seria suficiente para a queda da monarquia.

33 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media