Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Adoro o campo...

Regressei da costa alentejana com uma irritante fotodermatite, causada muito provavelmente por contacto com uma das umbelíferas integrantes da vegetação luxuriante  do local que escolhemos para férias e agravada por não ter percebido que a comichão que me invadia as canelas não tinha nada a ver com mordidelas das muitas melgas e mosquitos que me escolheram como alvo e ter insistido em ir à praia apagar a palidez de um ano passado em exclusivo indoors.

 

Enquanto me resigno a não poder voltar a ter as pernas ao léu este Verão, vou meditando na evolução da reacção social ao bronzeado, um must nas sociedades contemporâneas - excepto no Irão onde uns quantos alucinados ayatollas pretendem mandar para a prisão quem o exiba-, que curiosamente ou não, correlaciona com o reconhecimento de que a exposição ao Sol, contrariamente ao que me aconteceu, pode ser muito benéfica.

 

De facto, as propriedades terapêuticas da luz são conhecidas desde o início da História mas o interesse quer na exposição quer na utilização terapêutica da luz, como muitas outras coisas, foi suspenso nas sociedades ocidentais na Idade Média e assim permaneceu até finais do século XIX, início do século XX, especialmente depois de Niels Finsen ter recebido o Nobel da Medicina em 1903 pelo seu tratamento «solar» do lupus vulgaris.

 

Os registos históricos mais antigos que temos indicam que o uso da luz como agente terapêutico pode ser traçado ao culto do Sol, um deus que povoou o panteão de inúmeras mitologias. Muito antes do culto de Rá em Heliopolis, as civilizações pré-históricas adoraram o Sol e endereçaram-lhe preces. A influência do deus do Sol grego, Helios, permaneceu mesmo depois do advento da racionalidade grega, por exemplo na metáfora do Sol de Platão e no facto de o pai da História, Heródoto, ser também o pai da helioterapia, importada pelos romanos que transformaram os helioses gregos em solaria.

Os antigos egípcios usaram igualmente a fototerapia para tratamento de algumas afecções dermatológicas, como referido no papiro de Ebers, o mais extenso dos papiros médicos do Antigo Egipto. Nomeadamente, foram os pioneiros da terapia fotodinâmica (Photodynamic Therapy ou PDT) ao tratarem a lepra branca ou vitiligo com exposição ao sol da pele untada com cicuta negra - rica em  8-metoxipsoraleno, um fotossensibilizador que ainda hoje se utiliza.  De igual forma, os psoralenos da Psoralea corylifolia são o princípio activo dos tratamentos milenares prescritos para esta afecção na Índia e na China. O Atharva Veda prescreve o uso das sementes negras da beivechi ou babachi (Veisuchaika no original, alguns dos muitos nomes com que a planta é conhecida), seguido da exposição directa ao sol para tratamento do vitiligo.

Os solaria acompanharam a queda de Roma e a helioterapia só foi recuperada parcialmente por Avicena no século XI. Mas na Europa medieval e renascentista a exposição ao Sol era evitada já que escurecia a pele e uma pele nívea era uma marca de nobreza. Aliás, foi muito comum as classes mais altas utilizarem pós para tornar mais pálida a tez, prática que não era muito saudável quando os pigmentos branqueadores de eleição eram compostos de arsénio ou de chumbo. Na Inglaterra isabelina, o ceruse veneziano era utilizado não só para conferir uma pele branca, realçada por «beauty marks» artisticamente aplicados, como nos «tratamentos» capilares que conjugados com a mistura de óleo de vitriol (ácido sulfúrico) e extracto de ruibarbo usada para aclarar os cabelos explicam as testas proeminentes dos retratos desta época.

A Revolução Industrial começou a alterar a relação entre status social e cor da pele já que a palidez começou a ser associada aos trabalhadores que passavam o dia encerrados em fábricas e longe da luz do Sol. Assim, o bronzeado foi perdendo a sua conotação «trabalhadora» mas só nos loucos anos 20 o efeito terapêutico do Sol que fazia furor na comunidade médica foi promovido socialmente por Coco Chanel, curiosamente na mesma altura em que introduziu o Chanel No. 5,  cuja composição incluía então alguns componentes muito fotóxicos.

 

Na figura: Deauville, 1929.

9 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media