Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

opus rascum

antónio serzedelo, presidente da associação opus gay, afirma, a propósito da promulgação da lei que reforça o estatuto jurídico e as garantias das uniões de facto, que eu um dia lhe disse 'para ele não defender as uniões de facto porque assim ninguém quereria casar'.

 

à repugnância que causa a qualquer pessoa decente uma imputação baseada numa alegada conversa privada -- pelo carácter por definição não público da conversa mas sobretudo por ser impossível ao 'acusado' provar que a dita conversa não existiu ou não se passou como descrito -- junta-se, no caso, a patente inverdade da imputação e o objectivo miserável que lhe subjaz. qualquer pessoa que acompanhe o meu percurso cívico e opinativo, caso necessariamente de serzedelo, que me conhece pelo menos há 12 anos por motivos profissionais e me contactou inúmeras vezes para trocar ideias comigo a propósito de uma causa supostamente comum, a da igualdade, sabe que sempre defendi não só uma lei de uniões de facto como a densificação da existente. nunca considerei que essa posição 'prejudicasse' a luta pela igualdade no casamento; o que considerei sempre foi que a luta não devia ser por um casamento de segunda, uma união civil registada como a existente no reino unido e noutros países europeus.

 

é perfeitamente admissível que serzedelo tenha feito confusão e pensado ouvir uma coisa que nunca lhe poderei ter dito; e ainda mais admissível que tenha umas contas quaisquer a ajustar com o mundo e eu lhe pareça uma via adequada para tal. mas não é possível que ignore que aquilo que afirma contradiz tudo o que eu defendi publicamente em colunas de opinião e em variados posts -- o que torna no mínimo muito improvável que tivesse dito a alguém que não defendesse as uniões de facto, quando eu própria as defendia, e mais ainda que dissesse algo tão estulto como 'depois as pessoas não quereriam casar'.

 

solicitei a serzedelo que provasse o que afirma ou efectuasse o competente desmentido, sob pena de ter de o considerar uma pessoa desonesta. não obtive sequer resposta. parece pois que o veredicto é inevitável.

 

tudo isto é lamentável e sê-lo-ia em qualquer circunstância. mas que suceda vindo de alguém que representa uma associação de defesa dos direitos das pessoas lgbt, causa com a qual não só me identifico como com a qual sou publicamente identificada, é ainda mais deplorável; que a ocasião da calúnia seja a concretização de uma 'conquista' que sempre defendi e que nem sequer tem qualquer relação unívoca com a causa lgbt é simplesmente estapafúrdio.

 

há gente muito, muito rasca. e vai sendo altura de deixar de ter paciência com a rasquice.

4 comentários

  • Imagem de perfil

    f. 20.08.2010

    sempre defendi o acesso à candidatura p adopção p casais d pessoas do mm sexo, casados ou não. não faço é relação entre casamento e ter filhos. porta errada. tente por outro lado.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 25.08.2010

    Não faz a relação entre casamento e filhos.

    Eu também nao.

    Mas a lei que tanto festejou é que faz proibindo expressamente o acesso à adopção por casados do mesmo sexo
    PPB
  • Imagem de perfil

    f. 25.08.2010

    se sabe q festejei muito o casamento -- e tem razão, considero q foi uma grande vitória -- tb deve saber q considero q a coisa não pode ficar por aqui.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Arquivo

    Isabel Moreira

    Ana Vidigal
    Irene Pimentel
    Miguel Vale de Almeida

    Rogério da Costa Pereira

    Rui Herbon


    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Comentários recentes

    • Fazem me rir

      So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

    • Anónimo

      Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

    • Anónimo

      Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

    • Anónimo

      "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

    • Anónimo

      apos moderaçao do meu comentario reitero

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D

    Links

    blogs

    media