Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Zizek: eu não acredito em ferraduras enquanto amuletos, mas dizem-me que funcionam mesmo quando não

Sábado, na esplanada da cinemateca, o Elvis da teoria crítica deu um recital de mais de duas horas; e foi igual a si mesmo: brilhante e divertidíssimo. Recorrendo a todo o seu arsenal filosófico e cultural, falou-nos de Hegel e Steven Spilberg, de São Paulo (o santo) e de pornografia, de Marx e Leonardo di Caprio. A estratégia de Zizek é conhecida: ele subverte o senso comum, expondo o elemento ideológico que, contra tudo o que se diz, continua a permear toda a nossa interpretação da realidade. Com o marxismo vulgar desacreditado (ao contrário do PCP, Zizek continua a pensar), e sem uma classe universal que resolva as contradições da sociedade, Zizek limita-se a expôr, muitas vezes de forma absolutamente brilhante, as contradições das fantasias que, segundo ele, estruturam a nossa percepção (constitutiva) da sociedade moderna. O forte do Zizek não passa propriamente por uma crítica da economia política sofisticada (aí ele, acho eu, é um Marxista 'vulgar'), mas por uma subversão psicanalítica provocadora de determinadas categorias políticas e culturais que nos habituamos a considerar auto-evidentes.

Não sendo um especialista no pensamento de Zizek, parece-me que o contributo principal do seu pensamento nos estudos sobre ideologia é a sua critica (mais concretamente: uma superação de tipo Hegeliano com uma forte componente de Lacan) da noção Marxista de "falsa-consciência", sobretudo questionando o seu tradicional potencial emancipador. Para Zizek, e ao contrário do que Marx defendia, a sociedade capitalista não é sustentada por uma 'mentira' que, ao ser conhecida e exposta como mentira, continha em si mesma a possibilidade (revolucionária) da sua superação; a teoria de Zizek propõe uma inverção da noção marxista de 'falsa-consciência', defendendo que a razão moderna é uma razão essencialmente cínica: todos sabemos que a mentira existe, mas agimos 'como se' ela fosse verdadeira. Por outras palavras: a mentira não é uma arma de uma classe contra outra, mas a própria forma 'ilusória' como todos vivemos a realidade. Deste modo, a ideologia deixa de ser uma categoria política propriamente dita, passando a ser uma espécie de fantasia colectiva que se torna matéria-prima para o brilhantismo interpretativo de um pensador como Zizek. Na minha opinião, o problema fundamental de Zizek é que a razão do seu próprio sucesso (aquilo que o torna um pensador de uma criatividade inigualável) acaba por subverter e frustrar todas as suas tentativas tentativas de ser um pensador político verdadeiramente crítico—alguém que, através da denúncia expõe e revela um potencial de transformação da realidade. É aqui também que Zizek se afasta definitivamente de Hegel e Marx, e é nesse ponto que o seu pensamento se torna mais frágil. Podemos dividir a obra de Zizek em duas partes: por um lado é uma crítica (que podemos chamar de psicanalítica) da sociedade contemporânea; por outro, defende um voluntarismo político abstracto e a-histórico sem qualquer ligação aparente com a componente anterior. Ora é esta separação que viola tudo o que Marx e Hegel defenderam, pois abandona aquilo a que tradicionalmente se convencionou chamar de 'crítica imanente'. Assim, a separação entre momento crítico e momento emancipatório transforma o seu lado pretensamente revolucionário naquilo a que Hegel chamou 'liberdade absoluta', algo sem qualquer conteúdo que não uma afirmação destruídora de uma vontade cega, e que constituiu o cerne da crítica Hegeliana dos excessos da revolução francesa e do período de Terror. Ora, o 'Acto' de Zizek parece-me ser um exemplo perfeito disso mesmo: é uma categoria apenas pretensamente revolucionária, pois não passa de algo abstracto e formal, sem qualquer conteúdo que não a afirmação pura e simples do 'desejo' de uma realidade alternativa. As críticas do próprio Marx em relação ao socialismo utópico do seu tempo, aplicam-se de forma perfeita a Zizek. Sobra o seu lado crítico, pois esse, com uma ou outra excepção, é de facto muito bom...e divertidíssimo. A ironia mordaz e provocadora de Zizek diverte, e é esse o seu principal problema. Ele pode ser um génio filosófico e psicanalítico, mas não deixa de ser sobretudo um entertainer. Enquanto Zizek não for capaz de juntar os dois elementos do seu pensamento que referi anteriormente, não deixará de ser mais um que, pretendendo criticar, acaba por alimentar a 'mentira' que ele tanto gosta de parodiar. O problema de Zizek é que Épater la bourgeoisie não chega, pois ela gosta e pede mais.

25 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media