Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Religião e argumentação - A Relíquia

Com raras e significativas excepções, quando escrevo algo que tem a ver com religião, em particular com catolicismo, chovem os comentários. É um tema popular, o que seria bom se fosse indicativo de que as pessoas estão dispostas a discutir abertamente a religião. Na realidade, é quase sempre o contrário, isto é, as pessoas comentam os posts porque não querem que se discuta ou critique a (sua) religião. Este diagrama ajuda a perceber porquê mas o parágrafo final deste post da Joana, que remete para os «mistérios» da fé, no caso a Trindade, explica a relutância desses comentadores.

 

Há cerca de um mês, um inquérito do Pew Forum fez furor nos Estados Unidos. A causa da comoção foi a revelação de que ateus e agnósticos sabiam mais sobre religião que os crentes, em particular que os católicos, os que menos sabem no referido estudo. Mesmo em relação à Bíblia, ateus e agnósticos responderam correctamente a mais perguntas que os católicos (em especial que os católicos hispânicos, manifestamente ignorantes sobre a sua religião).

 

Muitos ateus são ateus exactamente porque não aceitam verdades impostas como argumentos de autoridade ou tradição e investigam-nas cuidadosamente acabando por saber mais sobre religião que a maioria dos que aceitam por fé e sem questionar os ditos cujos «mistérios». Claro que não vejo nenhum mal em alguém acreditar no seu deus da mesma forma que usa um telemóvel: não faz a mínima ideia como funciona, quais os fundamentos da física, da electrónica, etc. em que assenta o seu funcionamento e não sabe se existirá uma melhor forma de falar à distância. Mas o que maça é não o reconhecerem, isto é, não reconhecerem que acreditam nas verdades da sua religião unicamente porque tiveram experiências emocionais que os levaram a isso, porque foram educados nessa religião e nunca se interrogaram sobre as suas crenças ou porque escolheram arbitrariamente aceitar a autoridade de uma dada narrativa ou igreja em vez de outra. Maça sobremaneira usarem como premissas de argumentação as conclusões a que querem chegar pseudo-argumentando em jeito de remate de discussão que alguém é ateu porque teve um «trauma», é «crente» na inexistência de deuses ou é um positivista lógico ou cientifista. Esta caixa de comentários é um exemplo acabado do que quero dizer.

 

Em conclusão, maça que por cá a esmagadora maioria dos crentes considerem que as argumentações sobre religião deveriam emular as «tertúlias» de D. Maria do Patrocínio das Neves, a titi de A Relíquia, e carpam estridentemente como ódio figadal toda e qualquer tentativa de crítica ou discussão da (sua) religião. Embora não concorde com as suas conclusões, desde Agostinho até aos nossos dias existem filósofos católicos, inclusive o próprio Bento XVI nas obras e discursos em que não cede à tentação fácil do populismo e anti-intelectualismo, que pretendem (de)mo(n)strar a sua religião como um sistema justificável e sofisticado de crenças verdadeiras sem nada a ver com a crendice supersticiosa e acéfala de quem se recusa sequer a saber o que são os ditos «mistérios» da sua fé (como a transubstanciação eucarística que quase metade dos católicos norte-americanos não sabiam ser doutrina da sua religião).

 

Assim, numa tentativa que espero não venha a ser vã, vou periodicamente lançar temas de discussão que afastem o nosso espaço de debate das canjas de galinha da Vicência. Porque, mais não seja, penso que concordem ser negativa a resposta a uma interrogação que Carl Sagan lança no seu livro póstumo, «As Variedades da Experiência Científica. Uma visão pessoal da procura de Deus»:

 

«Se existe um Deus criador, será que Ele ou Ela ou Isso ou seja qual for o pronome apropriado preferiria uma espécie de cepo embrutecido que o adorasse sem nada compreender?»

12 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media