Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Crónica de uma fraude anunciada

Ontem, num colóquio organizado pela Comissão de Orçamento e Finanças, dedicada ao tema Dívida Pública, tivemos a honra de escutar vários sábios (magos, feiticeiros, alquimistas, deuses) da economia, dos quais destaco a estrela da companhia: Keneth Rogoff.

 

Em viagem de promoção do seu livro This Time is Different: Eight Centuries of Financial Folly, este ilustríssimo professor de economia disse-nos que, contrariamente ao que a populaça julga, as crises financeiras são normalíssimas. A sua ocorrência não nos ensina nada, pois as crises são como as tempestades: limitam-se a acontecer.

 

Rogoff usa a história para negar a história, e diz coisas extraordinárias, como: "olhem para a Espanha [acho que era a Espanha], teve imensas crises financeiras no passado, e ainda cá está". Fantástico. Para Rogoff, o mundo é para ser contemplado (esteticamente?), não transformado. A certa altura, saiu-se com esta pérola: 'misteriosamente, quase não houve crises financeiras entre o final da II Guerra e o final dos anos 70'. Misteriosamente?!. Na sessão de debate, perguntei se faria sentido dizer 'misteriosamente' ou se, pelo contrário, durante esse período, 'things really were different'. A resposta não tardou: a diferença foi o forte crescimento da economia mundial verificado nesse período. Ou seja, nada se passou no mundo da finança que não se tivesse passado sempre. Para ser perceber como a resposta de Rogoff não tem pés nem cabeça, basta pensar no que aconteceu recentemente a países como os EUA, Espanha e Irlanda: todos tiveram fortíssimos crescimentos económicos assentes em bolhas especulativas. A liberalização dos mercados financeiros foi iniciada no final dos anos 70 e o número de crises financeiras, como é óbvio, aumentou exponencialmente desde então. Misterioso, isso sim, é Rogoff achar que nada disto é óbvio.

 

Se Rogoff acha que as crises financeiras não devem ser causa para alarme, o mesmo já não sucede com a subida da dívida pública. A dívida pública, essa sim, é alarmante, garante-nos o professor. Rogoff explica porquê em dois artigos (Growth in a Time of Debt e Debt and Growth Revisited), onde se conclui: quando a dívida pública é superior a 90%, a mediana da taxa de crescimento do PIB cai 1%. Informativos ou não, estes artigos limitam-se a estabelecer uma correlação estatística, nunca uma relação causal. Mas Rogoff discorda: os artigos mostram, provam que a dívida é perigosa para o crescimento. Para se perceber em que medida esta afirmação de Rogoff não decorre de qualquer análise estatística da realidade, basta lembrar que, desde 2008, a maioria dos dados, embora reforcem a correlação entre dívida e diminuição do crescimento do PIB, revelam uma causalidade que é exactamente a inversa daquela que Rogoff pretende afirmar. A causalidade que Rogoff nos garante 'ver' nos dados, não é empírica, é teórica, e decorre exclusivamente da sua crença inabalável na Equivalência Ricardiana.

 

Por outro lado, e independentemente daquilo que Rogoff possa achar que provou sobre a relação entre dívida pública e crescimento, dizer que a dívida pública pode ser perigosa é uma mera advertência, que corresponde a um estado emocional - e nada nos diz em relação ao mérito de opções concretas de política económica. Não estou a dizer que a dívida não é um problema; limito-me a constatar que, preocupados ou não, todas as decisões sobre o que devemos fazer dependem exclusivamente dos méritos de projectos particulares. Por exemplo, imaginem que se chega à conclusão que avançar, hoje, com o TGV é uma boa decisão (o facto de eu achar que sim é irrelevante para o meu argumento), em que medida é que o nível do stock da dívida deve influenciar a minha tomada de decisão? Se um projecto for bom, isto é, se considerarmos que os ganhos são superiores aos custos, esse projecto aumenta a probabilidade de se reduzir a dívida no futuro e deve sempre avançar. Quem não percebe isto, das duas uma: ou não percebe patavina de economia ou finge que não percebe e está a instrumentalizar o medo e desconhecimento das pessoas em relação a estas matérias.

 

No final do debate de ontem, Paulo Mota Pinto (deputado do PSD, presidente da COF e organizador do colóquio) Braga de Macedo, Ricardo Reis, Teodora Cardoso e Silva Lopes concluiram que era necessário agendar outra conferência, desta vez para falar sobre o tema do crescimento económico, esse, sim, fundamental. Sem que se tenham apercebido do significado último do que tinham acabado de dizer, o painel de comentadores acabou, de forma não intencional, por deitar para o lixo todo o trabalho de Rogoff. No fundo, estes economistas acabaram por confirmar a minha posição: tudo o que possa ser dito sobre a dívida - que é má, que é perigosa, que é boa - é absolutamente irrelevante para debates sobre o crescimento económico. Rogoff foi o único que não se manifestou sobre a necessidade de uma nova conferência. É fácil perceber porquê.

13 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media