Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

E continuam as barbáries no Irão

Não admira que o Irão queira rever os curricula das disciplinas de direito e de direitos humanos: para além das execuções públicas, mantidas ao ritmo «normal»,  são cada vez as execuções secretas, ilegais mesmo à luz do que passa por lei no país. De acordo com Ahmad Ghabel, um erudito religioso preso em Vakilabad no princípio do ano, apenas nesta prisão e apenas durante os 3 meses da sua detenção, foram secretamente executados 50 prisioneiros.

 

Ghabel,  libertado sob fiança e detido novamente por ter denunciado as execuções, considera que o governo não fornece dados fidedignos dos enforcamentos nem reconhece as (muitas) execuções secretas para não provocar ultraje a nível nacional mas especialmente internacional.  A Amnistia Internacional e o ICHRI (International Campaign for Human Rights in Iran) têm indicações que corroboram quer a escalada nas execuções quer o aumento da brutalidade do regime. O porta-voz da ICHRI explicou à al-Jazeera que «As autoridades estão a tentar reduzir estes problemas [que as execuções secretas causam a nível nacional] usando punições extremas, que violam as leis iranianas e internacionais, numa política de intimidação cada vez mais brutal».

 

E a brutalidade reflecte-se no aumento das execução e da utilização de tortura nas prisões iranianas mas também na tendência crescente para punições violentas. Há poucos dias, Ebrahim Raisi (ou Raeesi), o responsável máximo do sistema judicial iraniano, elogiou na rádio estatal como um «castigo divino» e «fonte de orgulho/honra» a amputação da mão de um ladrão.

 

Mais concretamente, Raisi afirmou à rádio estatal «Graças à bênção da Revolução Islâmica, realizar a punição divina tem sido praticado desde o estabelecimento da revolução. O nosso objetivo é exactamente levar a cabo as leis islâmicas no Judiciário. É uma das nossas maiores honras implementar o castigo divino. Talvez uma das maiores vantagens do nosso sistema judicial, em comparação com outros sistemas judiciais [do mundo], seja que nós queremos cumprir as regras islâmicas».

 

Em 1988, Raeesi integrava o comité da morte quando o ayatollah Ruhollah Khomeini ordenou a Operação Luz Eterna, durante a qual foram massacrados cerca de 30 mil prisioneiros políticos e suas famílias.  O Grande Ayatollah Hossein Ali Montazeri* escreveu nas suas memórias que o massacre, que considerava um crime contra a humanidade, foi levado a cabo por altos responsáveis do actual governo. Nos documentos que tornou públicos Montazeri demonstra que apenas em 31 de Julho, 3 dias depois do início da operação,  cerca de 3800 pessoas foram assassinadas.

 

*Montazeri era o sucessor de Khomeini mas foi afastado da sucessão devido à sua reacção ao massacre de 1988. Khamenei foi imposto à força e à pressa por Khomeini  quando Montazeri denunciou  o regime de Khomeini como o horror que de facto era. Para Montazeri, que não concordava com o clericalismo introduzido por Khomeini, completamente alheio ao xiismo duodecimame predominante no Irão,  a consciência estava acima de zelo «revolucionário» e foi assim o primeiro prisioneiro de consciência do regime teocrático.  Khamenei, um dos principais protagonistas do massacre, sem quaisquer pergaminhos e sem qualquer reconhecimento teológico mas com reconhecido zelo «sanguinário revolucionário», foi o escolhido por Khomeini.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media