Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

democracia esborratada

A detenção pela PSP, a meio de Outubro, de um grupo de cinco jovens que estava a pintar um mural da JCP, em Arroios, Lisboa (detenção essa cujos termos são só por si um assunto que não vou tratar aqui), suscita um muito necessário debate sobre a liberdade de pintar paredes e os seus limites. Comecemos pela lei: a que regula a “'Afixação e inscrição de mensagens de publicidade e propaganda” é de 1988 e diz que “em cada município a afixação ou inscrição das mensagens de propaganda é garantida  nos espaços e lugares públicos necessariamente disponibilizados para o efeito pelas câmaras municipais”. Em espaços privados, a utilização para aqueles fins carece de consentimento do proprietário. Monumentos e edifícios ocupados por órgãos de soberania, assim como templos e sinais de trânsito são sempre off limits.


À partida, pois, parece claro (e sensato): para afixar propaganda política será sempre necessária autorização – em lugar público, da autarquia; em suporte privado, do dono. É esse, de acordo com as respostas dadas aos media pela direcção nacional da PSP, o entendimento da polícia. Mas em 2007 um requerimento de um deputado comunista solicitando ao ministério da tutela a clarificação de uma directiva da PSP de 2001 que equivale a pintura mural a crime de dano teve esta resposta: “a directiva não respeita  à pintura de murais por militantes ou simpatizantes de partidos políticos (...) mas sim à pintura de graffiti, nos casos em que estes constituem actos de vandalismo e de danificação da propriedade”. E o acórdão 636/95 do Tribunal Constitucional, exarado em resposta a um pedido de fiscalização da inconstitucionalidade (subscrito por deputados do PCP) de várias normas da lei citada, baralha ainda mais as coisas.


É que, se afasta a inconstitucionalidade da lei, o TC ressalva: o exercício da propaganda não tem de confinar-se “aos espaços e lugares públicos disponibilizados pelas câmaras municipais”. Não; não se trata de “perturbar o domínio de protecção do direito fundamental de liberdade de propaganda. Ao impor às câmaras municipais um dever de disponibilização de espaços e lugares públicos para o exercício desse direito, a mesma norma está tão-só a abrir possibilidades de comportamento no quadro de uma posição livre dos sujeitos.” Certo -- que raio quererá isto dizer? Que qualquer pessoa pode, sob pretexto do tal “direito fundamental da liberdade de propaganda”, pintalgar toda a propriedade pública que não se enquadre nas excepções proibidas? E, afinal, o que é propaganda? O TC traduz: “toda a divulgação de natureza ideológica, designadamente, a referente a entidades e organizações políticas, sociais, profissionais, religiosas e culturais”. Tudo e um par de botas, portanto. Assumindo, porém, que as autoridades teriam meios para distinguir uma mensagem de propaganda de outra qualquer, que devem fazer ao passar por um grupo que está a pintar um mural? Perguntar que tipo de mensagem é a deles? Esperar que acabem para ver se se insere na liberdade de propaganda? Isto, claro, enquanto averiguam da propriedade do local, para saber se é público ou privado?

 

Sim, tudo isto parece uma piada, mas é pelos vistos o imbróglio jurídico que temos – com pelo menos um partido com assento parlamentar, o PCP, a considerar qualquer licenciamento da afixação ou inscrição de propaganda como “censura prévia”. Uma expressão que não terá ocorrido aos vereadores comunistas lisboetas quando em 2008 a Câmara da capital removeu da Rotunda de Entrecampos um cartaz do Partido Nacional Renovador alegando que a mensagem nele contida não tinha sido licenciada previamente. É: há propaganda e propaganda, liberdade e liberdade. A de quem gosta de paredes limpas, por exemplo, parece não valer nada.

 

(publicado na coluna 'sermões impossíveis' da notícias magazine de 7 de novembro)

 

6 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media