Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Teoria e prática da religião

As pessoas religiosas tendem a subestimar a importância que para nós, pobre mortais, assumem certas questões práticas, o que tem consequências muito nefastas para a credibilidade da sua fé.

Por exemplo: como pode Deus vigiar adequadamente o comportamento dos 6,8 mil milhões de seres humanos que actualmente povoam o planeta e julgá-los do ponto de vista moral?

É preciso recordar que tudo isto começou com apenas um casal no Jardim do Éden (pouco maior que o Campo Grande, imagino eu). Mesmo sendo Deus já nessa época muito velho e não tendo trotinete, não lhe custava muito mantê-los debaixo de olho, tanto mais que os apanhou logo na primeira ocasião em que pecaram.

Só que, num momento de entusiasmo, saíu-lhe uma atoarda de que, desde então, deve ter-se arrependido um milhão de vezes. Falo do infeliz e demagógico slogan: “Crescei e multiplicai-vos.”

Ocorreu-lhe ainda, séculos depois, diabolizar o sexo – mas já era tarde. O mal estava feito.

Esta noção de que Deus perdeu o controlo dos acontecimentos penetrou há séculos na sabedoria popular. Como pode ele vasculhar adequadamente as vidas de milhões e milhões e milhões de desalmados pecadores? É por isso que, na era moderna, ninguém teme as penas do inferno.

É lamentável que, desacreditado o totalitarismo divino, Deus tarde tanto em assumir as consequências dos seus actos e em refundar a religião, contribuindo assim para o descrédito dos fiéis que persistem em defender contra toda a evidência a razoabilidade dos seus actos.

Sabem vocês porque não acaba este nosso mundo apesar de tão obviamente ter excedido o prazo de validade? Ora, porque não pode!

Imaginemos que Deus decretava o fim dos tempos e convocava o Juízo Final. Já nem pergunto onde iria ele realizá-lo ou como seria possível deslocar para lá em tempo útil tanto bilião de ressuscitado.

Antevejo como inevitável que, após deixar-nos à espera durante horas e dias a fios, Deus, muito embaraçado, mas ainda assim incapaz de reconhecer que deixou de fazer fichas dos nossos pecados vai para cima de três mil anos, não teria mais solução senão dirigir-se aos microfones e anunciar-nos: “Meus amigos! Como o sistema está em baixo e os informáticos não sabem quanto tempo vai demorar a concertá-lo, tomei uma decisão que decerto vos encherá de júbilo. Estais todos perdoados! Let's party!”

27 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media