Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

let's talk (and think) about censura

'A maioria dos artigos de jornal e dos posts surgidos em blogues distribui-se simplisticamente por dois grandes campos. O daqueles que vêm no vivaço trintão australiano um novo Che, talvez menos fisicamente atraente mas não menos bravo, e entendem que tudo deve ser dito a toda a gente. Embora alguns dos que defendem este ponto de vista ressalvem a existência de Estados com governantes gloriosamente antiamericanos onde o controlo da informação possa ser legítimo. E, do outro lado, o campo dos que entendem que os governos têm todo o direito de escolher o que é informação sensível e de a furtar aos olhares públicos, punindo quem se arrogue a dar com a língua nos dentes. Contra ambos, vejo antes o que alguns comentaristas avisados também já viram: uma coisa é o direito ao secretismo, que é uma prerrogativa de todos os detentores de alguma forma de poder e que nas questões de política internacional pode em muitos casos tornar-se inevitável, mas outra é o dever de os órgãos de comunicação livre darem a conhecer aos cidadãos as informações que lhes dizem respeito e às quais têm acesso. Por outras palavras: os diplomatas e os espiões devem ter cuidado na transmissão da informação sensível com a qual trabalham, mas se o não tiverem ninguém terá de fazer o seu trabalho por eles. Salvo, naturalmente, em situações extremas, quando a circulação de informação crucial pode colocar vidas em jogo. Não é este no entanto, visivelmente, o caso da larga maioria dos telegramas já conhecidos.'

 

rui bebiano, num post muito interessante, o seu terceiro sobre o assunto do momento, penitencia-se da sua reacção inicial. e acaba por considerar, na sequência deste post que já para aí apontava, que o mais importante nesta história é o impulso censor que vê surgir.

 

acompanhando a sua preocupação com esse impulso censor (consubstanciado, nomeadamente, nas 'recusas de serviço' por parte de servidores de net e de sistemas de pagamento on line -- a prisão de assange pode ou não fazer parte disso e creio que é um pouco cedo para concluir num ou noutro sentido), não acompanho a conclusão do rui.

 

primeiro, porque a wikileaks já divulgara informações muito prejudiciais para a imagem dos eua, relacionadas com as guerras do iraque e afeganistão e também consideradas secretas, e não se havia verificado uma reacção adversa (quer opinativa quem de corporações) como a que agora ocorre -- e é muito importante ter isso em conta, sobretudo quando se descrevem 'os campos' em confronto como o dos que acham que 'tudo deve ser dito a toda a gente' e os que 'entendem que os governos têm todo o direito de escolher o que é informação sensível e de a furtar aos olhares públicos, punindo quem se arrogue a dar com a língua nos dentes'. muita gente que agora se manifesta desagradada com a wikileaks não o fez perante as outras 'fugas'. e é capaz de não ser por acaso.

 

é que muito daquilo que tem vindo a ser publicado nos jornais 'escolhidos' (incluindo nesse grupo o nyt, apesar de ter sido desta vez preterido por assange) está muito longe de ser 'informações que dizem respeito aos cidadãos', ou matéria de interesse público indiscutível (alguma, como a lista dos locais sensíveis para a américa, parece-me mesmo o exemplo da negação do interesse público, a não ser que se considere como público a irmandade dos inimigos dos eua, nomeadamente aqueles rapazes da al qaeda); depois, porque a forma como a publicação tem decorrido, de um modo geral apenas reproduzindo os telegramas como se de testemunhos da 'verdade' se tratassem, é jornalisticamente muito discutível e, sobretudo, contraditória nos termos: publicadas em nome do 'direito de saber', as informações contidas nos telegramas diplomáticos são 'vendidas' pelos jornais sobretudo por se tratarem de segredos, não por serem fidedignas ou verificáveis (e não é pequena ironia, como o valupi assinala, que tanta gente que acha que os eua são a coisa pior que existe ao cimo da terra demonstrem uma crença fundamentalista em tudo o que ocorre dizer aos seus representantes diplomáticos).

 

e é nesse valor tacitamente acrescentado a seja o que for, desde que fosse suposto não ser público,  que me parece residir o maior perigo desta história toda. não que essa espécie de ideologia da total transparência (e da qual joão lopes fala) não existisse já; mas é indesmentível que esta nova aventura da wikileaks lhe acrescentou virulência. e que isso esteja a ser protagonizado por alguns dos jornais mais respeitados -- e respeitáveis -- do mundo não é pouco relevante e está, obviamente, muito longe de ser um assunto que só deva interessar jornalistas. a censura, como supressão da liberdade de expressão (que é só uma manifestação da liberdade de ser e pensar, como orwell tão bem demonstrou) is a many splendored thing. e não vem sempre dos governos.

 

adenda: a propósito dos telegramas como 'verdade revelada', ler estrela serrano.

4 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • f.

    olá. pode usar o endereço fernandacanciodn@gmail.c...

  • Anónimo

    Cara Fernanda Câncio, boa tarde.Poderia ter a gent...

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media