Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Costa do Marfim à beira da guerra civil

Continua o crescendo de violência na Costa do Marfim com os partidários de Laurent Gbagbo a ameaçarem não só as forças da ONU como Alassane Ouattara, protegido pela Missão da ONU. Blé Gudé, o líder dos Jovens Patriotas, organização que apoia o presidente derrotado, ameaçou tomar de assalto o hotel que alberga Ouattara: «A partir de 01 de Janeiro, eu, Charles Blé Gudé, e os jovens da Costa do Marfim vamos libertar o Golf Hotel com as mãos nuas», disse Blé Gudé,ministro da Juventude de Gbagbo, aos milhares de militantes que o ouviam em Yopugon, um bairro de Abidjan.

 

Alain Le Roy, que chefia as operações de manutenção de paz das Nações Unidas, denunciou os apelos ao ódio que estão a ser feitos pela facção Gbagbo na RTI, a televisão pública. «As declarações que ouvimos na televisão estatal marfinense preocupam-nos e chocam-nos, porque instigam, claramente, a população a virar-se contra a Missão da ONU na Costa do Marfim, instigam ao ódio», afirmou Le Roy. O recente ataque a um comboio da ONU segundo Le Roy, «é evidentemente uma das consequências directas do ódio promovido contra a ONUCI, via RTI».

 

A retórica inflamatória dos apoiantes de Gbagbo está a dividir o país, anos após outro conflito muito semelhante ter resultado numa guerra civil entre o norte rebelde, maioritariamente muçulmano, e o sul, predominantemente cristão e enclave do governo, que terminou em 2007 num estádio de futebol, com a mediação de Didier Drogba. Youssoufou Bamba, o recém nomeado embaixador da Costa do Marfim na ONU, avisou que a recusa de Laurent Gbagbo em deixar o poder que perdeu nas últimas eleições, está a deixar o país à beira de outra guerra civil. De acordo com Bamba, nomeado por Alassane Ouattara,  «é preciso fazer qualquer coisa», pois está-se «a dois dedos de um genocídio».

 

Para se perceber esta menção a genocídio são necessários alguns vislumbres do  complicado xadrez étnico, religioso e político na Costa do Marfim. Laurent Gbagbo, 65 anos, antigo professor de história, está no poder há uma década, apesar do mandato que o elegeu em 2000 ser de apenas cinco anos. Cristão, foi opositor histórico de Felix Houphouët-Boigny, o pai da independência desta antiga colónia francesa que foi presidente do país desde a independência em 1960 até à morte em 1993 e o transformou no principal produtor mundial de cacau. Gbagbo pertence à etnia Bété, um sub-grupo dos Kru, dominantes no sul do país, e rivais dos muçulmanos Dioula e dos Baoulé, etnia de Houphouët-Boigny e do seu sucessor, Henri Konan Bédié.

 

Alassane Dramane Ouattara, que fará 69 anos no próximo dia 1, é muçulmano e pertence à etnia Dioula, uma das duas principais etnias nortenhas. Doutorado em Economia pela universidade da Pensilvânia, foi economista do FMI e era primeiro-ministro do governo de Felix Houphouêt-Boigny aquando da morte do presidente. Suplantado na sucessão pelo presidente da assembleia nacional, Bédié, Ouattara apresentou a demissão e regressou ao FMI em Washington onde assumiu o cargo de director-geral adjunto. O governo provisório de Bédié aprovou uma lei eleitoral, depois parcialmente consolidada na constituição, que restringia a admissibilidade de candidatos presidenciais a filhos de marfinenses que tivessem residido na Costa do Marfim nos últimos 5 anos, o que impediu Ouattara de concorrer nas eleições de 1995, em particular depois de um tribunal ter decretado que a sua mãe era do Burkina Faso.

 

Bédié herdou uma situação económica complicada devida à queda dos preços do cacau o que, conjugado com corrupção generalizada, obrigou o novo presidente a pedir ajuda ao FMI. A crise fez piorar ainda mais as condições de vida da população que começou a protestar os desmandos governamentais, algo que não fizera durante as décadas de prosperidade em que aceitara a acumulação de uma enorme fortuna pessoal por Houphouët-Boigny e os seus delírios de grandeza, como a construção, nos anos 80, da maior igreja do mundo, a basílica de Notre-Dame de la Paix de Yamoussoukro, que duplicou a dívida externa da Costa do Marfim.

 

A tensão no país aumentou e em 1999 o governo de Bédié foi derrubado por um golpe de Estado militar. O general na reforma Robert Guéï foi convidado a liderar a junta que governou o país até às eleições de Outubro de 2000, que elegeram Laurent Gbagbo. Guéï não aceitou o resultado e proclamou-se presidente da Costa do Marfim, levando ao aumento da violência e do número de mortos entre a população civil. Em 25 de Outubro, Guéï abandonou o cargo e  Laurent Gbagbo assumiu o poder.

 

Gbagbo criou um Comité de Mediação para a Reconciliação Nacional, com a presença de representantes de partidos políticos e antigos presidentes como Guéï e Bédié,  e dignitários católicos e muçulmanos. No entanto, esta iniciativa não diminuiu as tensões criadas por umas eleições que dividiram o país já que muitos candidatos tinham sido impedidos de concorrer, incluindo os líderes dos principais partidos da oposição, representantes das principais etnias rivais dos Bété: Bédié, presidente do partido que fora de Houphouët-Boigny, o PDCI-RDA  Parti Démocratique de la Côte d'Ivoire — Rassemblement Démocratique Africain, e Alassane Dramane Ouattara, líder da União dos Republicanos. Em 2002, o crescendo de tensão culminou numa guerra civil. Em 2010 a situação repete-se. Infelizmente.

1 comentário

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media