Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Resposta (muito atrasada) ao Rui Moreira

Num artigo intitulado Trocar euros por Galambas, o colunista Rui Moreira mostrou-se escandalizado com a minha afirmação de que ‘no sistema monetário em que vivemos, o 'dinheiro' não é um recurso escasso. Escassos são os recursos reais que o dinheiro pode comprar, não o dinheiro propriamente dito. A partir daqui, e socorrendo-se da sua fértil imaginação – não das minhas ideias, que manifestamente não compreende – embarca numa diatribe sem nexo, de onde conclui, entre outras coisas, que eu defenderia uma repetição da hiperinflação de Weimar como solução para a economia da Zona Euro.

 

Lamento desiludir o colunista, mas limitei-me a dizer que, com níveis recorde de desemprego na Zona Euro (10.1% segundo o Eurostat), o risco de inflação, como é amplamente demonstrado por todos os indicadores que reflectem as expectativas do mercado, é reduzido, para não dizer inexistente. Não disse que a inflação é a solução; apenas que esta, no contexto actual, não é um risco com o qual nos devamos preocupar. Que haja pessoas para quem a hiperinflação está sempre ao virar da esquina, nada nos diz sobre a realidade, mas apenas sobre os estados emocionais e cognitivos de quem insiste em tal afirmação.

 

Quanto à afirmação que escandalizou Moreira – bem, dizer que o dinheiro não é um bem escasso é a mera constatação que vivemos num sistema de moeda fiduciária, não no padrão ouro. Aparentemente, Rui Moreira não percebe a diferença.

 

A criação de moeda é inflacionista? Teoricamente, sim; na prática, depende. Na economia, como em quase tudo, os riscos dependem do contexto e o que pode fazer sentido num momento, deixa de fazer no outro. É aqui que o desemprego elevado e o crescimento débil da economia se tornam relevantes. Lamento desiludir o colunista, mas se não fizermos nada para inverter a situação, por causa de uma ameaça teórica de inflação, não confirmada pela realidade, o risco maior é a deflação.

 

Desde o início da crise, os bancos centrais têm-se dedicado a desmentir as crenças de Rui Moreira, praticando políticas monetárias expansionistas para dinamizar a economia. Esta política não teve os resultados pretendidos, não por causa da inflação (apesar do que afirma o colunista), mas porque os privados estão mais preocupados em usar essa liquidez para reduzir os seus níveis de endividamento e não para consumir ou investir. A situação na Europa é ainda mais grave, pois o BCE não pode financiar os Estados que queiram substituir sectores privados em retracção. Quando defendo que o BCE devia financiar Estados com dificuldades de liquidez, limito-me a dizer que a política monetária só será eficaz na dinamização da actividade económica se for canalizada para quem está disposto a gastar, não para quem se limita a entesourar.

 

Rui Moreira até pode ter lido aquele tal ‘contramanifesto em que se defendiam todas as obras megalómanas do regime’, mas é evidente que não compreendeu o que lá estava escrito. O manifesto limitou-se a antecipar a situação em que hoje nos encontramos: sem uma firme resposta contra-cíclica, coordenada ao nível da UE, esta crise terá efeitos devastadores. O simples facto de estarmos hoje com os níveis de desemprego mais elevados desde a criação do Euro e de ser já praticamente consensual que vai haver uma desaceleração do crescimento económico, parece mostrar que os ‘solícitos economistas’ tinham razão. E que, até prova em contrário, continuam a ter.

 

Nota: ao abrigo do direito de resposta, e depois de falar com a direcção do jornal, enviei este artigo para publicação no JN. Isto passou-se no dia 22 de Novembro. Foi-me dito várias vezes que o iriam publicar, mas, até agora, e sem que me tenham dado qualquer explicação, tal não aconteceu.

1 comentário

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media