Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Resposta (muito atrasada) ao Rui Moreira

Num artigo intitulado Trocar euros por Galambas, o colunista Rui Moreira mostrou-se escandalizado com a minha afirmação de que ‘no sistema monetário em que vivemos, o 'dinheiro' não é um recurso escasso. Escassos são os recursos reais que o dinheiro pode comprar, não o dinheiro propriamente dito. A partir daqui, e socorrendo-se da sua fértil imaginação – não das minhas ideias, que manifestamente não compreende – embarca numa diatribe sem nexo, de onde conclui, entre outras coisas, que eu defenderia uma repetição da hiperinflação de Weimar como solução para a economia da Zona Euro.

 

Lamento desiludir o colunista, mas limitei-me a dizer que, com níveis recorde de desemprego na Zona Euro (10.1% segundo o Eurostat), o risco de inflação, como é amplamente demonstrado por todos os indicadores que reflectem as expectativas do mercado, é reduzido, para não dizer inexistente. Não disse que a inflação é a solução; apenas que esta, no contexto actual, não é um risco com o qual nos devamos preocupar. Que haja pessoas para quem a hiperinflação está sempre ao virar da esquina, nada nos diz sobre a realidade, mas apenas sobre os estados emocionais e cognitivos de quem insiste em tal afirmação.

 

Quanto à afirmação que escandalizou Moreira – bem, dizer que o dinheiro não é um bem escasso é a mera constatação que vivemos num sistema de moeda fiduciária, não no padrão ouro. Aparentemente, Rui Moreira não percebe a diferença.

 

A criação de moeda é inflacionista? Teoricamente, sim; na prática, depende. Na economia, como em quase tudo, os riscos dependem do contexto e o que pode fazer sentido num momento, deixa de fazer no outro. É aqui que o desemprego elevado e o crescimento débil da economia se tornam relevantes. Lamento desiludir o colunista, mas se não fizermos nada para inverter a situação, por causa de uma ameaça teórica de inflação, não confirmada pela realidade, o risco maior é a deflação.

 

Desde o início da crise, os bancos centrais têm-se dedicado a desmentir as crenças de Rui Moreira, praticando políticas monetárias expansionistas para dinamizar a economia. Esta política não teve os resultados pretendidos, não por causa da inflação (apesar do que afirma o colunista), mas porque os privados estão mais preocupados em usar essa liquidez para reduzir os seus níveis de endividamento e não para consumir ou investir. A situação na Europa é ainda mais grave, pois o BCE não pode financiar os Estados que queiram substituir sectores privados em retracção. Quando defendo que o BCE devia financiar Estados com dificuldades de liquidez, limito-me a dizer que a política monetária só será eficaz na dinamização da actividade económica se for canalizada para quem está disposto a gastar, não para quem se limita a entesourar.

 

Rui Moreira até pode ter lido aquele tal ‘contramanifesto em que se defendiam todas as obras megalómanas do regime’, mas é evidente que não compreendeu o que lá estava escrito. O manifesto limitou-se a antecipar a situação em que hoje nos encontramos: sem uma firme resposta contra-cíclica, coordenada ao nível da UE, esta crise terá efeitos devastadores. O simples facto de estarmos hoje com os níveis de desemprego mais elevados desde a criação do Euro e de ser já praticamente consensual que vai haver uma desaceleração do crescimento económico, parece mostrar que os ‘solícitos economistas’ tinham razão. E que, até prova em contrário, continuam a ter.

 

Nota: ao abrigo do direito de resposta, e depois de falar com a direcção do jornal, enviei este artigo para publicação no JN. Isto passou-se no dia 22 de Novembro. Foi-me dito várias vezes que o iriam publicar, mas, até agora, e sem que me tenham dado qualquer explicação, tal não aconteceu.

3 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media