Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Deolinda, que graça! Eu gosto.

Tenho assistido a um «fenómeno» nos últimos tempos em Portugal. Muita gente adora repentinamente os «Deolinda». É certo que há também quem não goste nadinha…mesmo nadinha. Pedro ML, estou a falar de ti, desculpa lá.

A primeira vez que ouvi o grupo – acho óptimo que ele se chame dessa forma - foi a cantar há muito tempo a canção «Movimento perpétuo associativo». Vou contar: foi num táxi, à noite. O silêncio era sepulcral e eu pude ouvir a canção e ter a noção do texto. Adorei e ( é preciso dizer que eu sou uma bobdyliana e uma zecaafonsiana) achei que era extremamente inteligente, até porque dizia algo que eu sempre tinha pensado sobre (nós) os portugueses. «Vamos a eles! Travem-me, porque senão eu vou-me a eles!!!». Resta dizer, que não é preciso que nos travem, nós encarregamo-nos disso. Sabemos que somos assim, mas foi Fernão Mendes Pinto a dizê-lo, a retratar-nos. Aquela vontade de acabar com tudo e de desistir a meio do caminho. O non-sense…

Mas agora, de repente toda a gente descobriu. A extrema-esquerda órfã de tudo, até da razão para combater, mas aquela que tem reforma (choruda), aquela que está (embora sendo jovem) empregad(íssima), por razões políticas, resolveu que a última canção do grupo era um detonador para a revolta (daqueles que eles gostavam que se revoltassem, desde que não os incomodassem). A direita, desde JMF a VPV – este menos - (adivinhem de quem estou a falar…), acha que é uma canção contra a esquerda que manda neste país há anos e deixou a «malta nova» nesta situação. Recibos verdes. Já agora, sei muitíssimo bem o que é isso.

Este post não tem final nem moral. É a minha forma de dizer que os «Deolinda» são um grupo extraordinário. Não é quando todos (diferentes e desiguais) gosta, que algo se torna universal? Os Deolinda já estão a ser algo de universal em Portugal. Aconteceu.

P.S. já agora, ó Deolinda, não se deixem instrumentalizar (upsss, o Zeca diria: já fui paternalista!)

9 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media