Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

beanito, augusta, tu e eu

Tinha dez anos. Era surdo-mudo. A mãe, guineense, trá-lo a Portugal na esperança de que aprenda a falar. No hospital, o menino desaparece enquanto ela anda de guichet em guichet. Faz queixa à PSP, que passa o caso à PJ. Dez dias depois, a criança é descoberta. Numa gaveta do Instituto de Medicina Legal. Está lá desde o dia em que desapareceu, após ter sido colhida por um comboio na linha da Amadora, a muitos quilómetros do hospital onde foi com a mãe. Na PSP, o alerta do desaparecimento, enviado a todas as esquadras, nunca se encontrou com o relatório sobre o menor morto por um comboio; a PJ, onde o caso só chegou quatro dias depois da queixa, garante que indagou junto do IML, mas este retorque: era impossível não se ter referido o cadáver de uma criança. Foi aliás uma funcionária do IML que, vendo na TV a notícia sobre a criança desaparecida, se lembrou do menino morto que ninguém reclamou. Não passa nada, porém: a mãe enterra o filho e regressa à Guiné.

 

O caso é de Novembro de 1992. Lembro-o muitas vezes como exemplo de tudo o que não deve, não pode suceder. E da monstruosa indiferença disso a que chamamos "os serviços" (e que tantas vezes servem tão pouco), da constatação amarga de que uma morte pode inquietar tão pouco. Lembro-o ante Augusta Martinho, a mulher encontrada morta na sua casa da Rinchoa quase nove anos depois de o seu desaparecimento ter sido comunicado à polícia por uma vizinha e um familiar. Augusta, que faria sábado 96 anos, recebia uma pensão - foi a caixa de correio cheia de cartas da Segurança Social que levou a vizinha a agir; Augusta pagava impostos - tanto que o incumprimento determinou a venda da sua casa em hasta pública. Augusta teria água e luz e talvez telefone - entretanto decerto cortados; Augusta não pagava condomínio desde 2002, nem era vista a passear o seu cão, a ir à mercearia. Ainda assim, nenhuma das instituições criadas para zelar por ela - da polícia à Segurança Social e ao fisco (que nada fiscalizou, limitando-se a confiscar) - saiu da papelada para verificar se aquele nome, aquele número, aquela "utente" tinha algum motivo para não receber os cheques nem pagar as contas, não abrir a porta, não ser vista, em suma, não dar sinal de vida.

 

Há quem, a respeito de Augusta, fale de solidão. Sim, Augusta vivia só, e talvez (alguém pôs essa hipótese?) quisesse viver assim. Mas não foi por falta de quem se preocupasse com ela que passou nove anos no chão da cozinha: uma boa vizinha fez tudo o que pôde, até descobriu os familiares da senhora. Esta não é uma história de solidão, ou sequer do abandono dos idosos, a suscitar choradinhos sobre a "desumanização urbana" (no campo é que era, etc.). É uma história de incompetência e indiferença institucional. Insofismáveis, intoleráveis, obscenas. Mas por isto ninguém se lembrará de pedir cabeças.

 

(publicado hoje no dn)

16 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media