Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Ainda os drunfos

Telegraficamente duas coisas, João (já disse que concordo com o veto do Cavaco).

 

1. Sobre quanto estava em causa poupar com o DL da prescrição de medicamentos as informações são contraditórias, ora veja o que dizia o Público de ontem: "Questionada pelos jornalistas, Ana Jorge admitiu não conseguir avançar qual a poupança estimada com a prescrição por Denominação Comum Internacional (DCI).

“Iria sempre depender da adesão do médico a justificar ou a autorizar ou não a substituição por genérico. Não é possível fazer à partida um cálculo da poupança”, reconheceu."
(acho muita graça ao uso indistinto de "justificar" ou "autorizar" quando se fala de um decreto que prevê especificamente a possibilidade de mudança da prescrição médica - curioso sinónimo do acto de receitar, hum? -, está tudo tarado!).

 

2. Em relação à comparação com a Madeira, e não subsecrevendo a totalidade do diploma, uma pequenina grande diferença, a saber. Enquanto no documento madeirense está especificamente referido que a substituição da prescrição médica diz respeito à molécula original (no documento referida como "de marca", denominação que acho errada já que os genéricos nacionais também são genéricos "de marca", o que é fantástico) - e desde que não haja justificação médica, o que equivale no actual modelo de receita a que a esta não esteja "trancada" e, por isso, que a responsabilidade pela prescrição continue a ser do clínico - o DL vetado por Cava Silva  permitia que a prescrição inicial fosse substituída por outra da qual constasse um produto "essencialmente similar", nomeadamente por um outro genérico ou "cópia", digo eu. Aliás, essa possibilidade justifica, do meu ponto de vista, a posição favorável ao veto manifestada por Paulo Lilaia, presidente da Associação Portuguesa de Medicamentos Genéricos, como se percebe.

 

Só mais uma coisa, mesmo com a prescrição electrónica*, que defendo, o médico não prescreve por DCI, prescreve por DCI "de marca", para que conste. E os genéricos são comercializados por laboratórios, nada contra, digo muitas vezes que a indústria farmacêutica não é a Santa Casa da Miserircórdia, mas é só para relembrar.

 

Desenvolver (ainda mais) a política e a quota de venda do (bom) medicamento genérico deve ser o objectivo de qualquer um de nós, quem não o faz, sobretudo se é médico, é uma besta. Ainda há tanto por fazer e outro tanto para modificar. Vamos lá ser sérios e fazer a coisa sem demagogia, assim bem feita, sem ser à martelada.

 

*adenda: Artigo 120.º (Prescrição de medicamentos)
1 - A prescrição de medicamentos é, preferencialmente, feita por via electrónica ou, não sendo possível, manualmente.
2 - A prescrição de medicamentos por via electrónica inclui a indicação da denominação comum da substância activa, da marca, do nome do titular da autorização de introdução no mercado, da forma farmacêutica da dosagem e da posologia.

(...)

21 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media