Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

24.02.2011

Uma multidão imensa, no que parece ser uma praça junto ao mar. Crianças, mulheres, homens, soldados. Riem, fazem sinal de vitória. Gritam em árabe. E "CNN, CNN". Estão virados para o terraço de um prédio onde Ben Wedeman, da primeira equipa de TV a chegar a Bengazi, narra o que lhe sucedeu ao entrar na cidade que simboliza a revolta contra Kadhafi. "Senti-me como um americano a entrar em Paris. As pessoas saudavam-nos, agarravam-nos as mãos, agradeciam-nos, atiravam doces para dentro do jipe. Não estou certo de estar à altura disto." Esmagador, resume.

 

Esmagador, sim. Dez anos após o 11 de Setembro, a "rua árabe", que povoa os nossos mais assustadores pesadelos e cremos ser o nosso pior inimigo; que, tememos, pode deitar a perder, com o seu atavismo, as esperanças das duas revoluções já vitoriosas, a da Tunísia e a do Egipto, saúda um americano como libertador. É um jornalista, certo, não um soldado - e, no twitter, os líbios que mantêm viva a torrente de informação asseguram que é a imposição de uma no fly zone que querem da comunidade internacional, para assegurar que Kadhafi não pode mandar bombardear os insurrectos, e não uma invasão, mesmo que de tropas da ONU. "Se alguém sonha em transformar o meu país noutro Iraque, que deus os ajude", diz @ChangeInLibya, um tuiteiro baseado em Tripoli.

 

Sim, Wedeman e equipa são jornalistas. Mas são americanos. E não é possível negar a importância simbólica do júbilo que os acolhe. Claro que os líbios sabem, como toda a gente sabe, que a presença de repórteres e câmaras é fundamental para o sucesso de qualquer luta; mas são também os espectadores da CNN, o público americano, os EUA que julgam poder ajudá-los, que os habitantes da Bengazi libertada aclamaram ontem nos homens da CNN. A rua de Bengazi, como as vozes que nos chegam do Bahrein (cuja luta foi ofuscada pela da Líbia), demonstra algo que ninguém esperava ver: é à UE (os antigos colonialistas) e aos EUA (o aliado de Israel, o "império do mal", o invasor do Iraque) que os rebeldes apelam. Não é à China, nem à Rússia, nem à Venezuela, nem ao Brasil; nem tanto, sequer, aos países da zona. É aos que historicamente culpam por todos os seus males e que forjaram cumplicidades com todos os ditadores em causa - mesmo os que, como Kadhafi, mandaram abater aviões civis europeus - em troca de petróleo, contenção da imigração e investimentos bilaterais, os que empocham sorridentes o dinheiro das oligarquias e fecham os olhos a todas as violações de direitos humanos que não apareçam em prime-time (só agora é que a Suíça percebeu que Mubarak e Kadhafi são facínoras, para decidir congelar-lhes as continhas?) que os líbios e os bahreinianos pedem apoio: a velha Europa e a velha América. O dito mundo livre. Pode ser só pragmatismo simétrico, claro - e se o merecemos. Mas pode, também, ser outra coisa. E, se for, é bom que saibamos estar à altura.

 

(publicado hoje no dn)

25 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media