Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

E se a ameaça ao Euro fosse Politica?

Foi notícia de abertura dos telejornais e capa dos jornais franceses: Marine Le Pen, a nova líder da extrema-direita descomplexada francesa surge em primeiro lugar nas intenções de voto para as presidenciais de 2012. E chegam os detalhes: 23% dos eleitores da Marine Le Pen dizem-se próximos da extrema-esquerda e 36% sem filiação partidária. Faltam ainda dados sobre os abstencionistas que, por descrença ou desespero, podem deixar de o ser por encontrarem no seu discurso o tom paternalista que aparentemente reconforta. O sucesso crescente da extrema-direita que se quer nacionalista e social é pois inegável.

No contexto actual seria um erro lidar com estas notícias como se, apenas, de política interna francesa se tratasse.

A Europa sempre precisou de um pacto franco-alemão para avançar e Marine Le Pen é muito clara na sua visão da Europa: a Europa de Bruxelas é inimiga do Estado-nação, faz parte do “complô” da globalização – por isso promove a imigração clandestina – e constrói-se contra a vontade soberana dos povos. A solução para a crise que também atinge a França, para a senhora Le Pen, é pois simples: a saída imediata da zona Euro.

E quanto ao futuro da própria União? Isso logo se vê…

Como é óbvio nada disto se baseia em qualquer estudo sério sobre as consequências sociais e económicas de tais medidas.

O mais grave é que Marine Le Pen não está sozinha. Um pouco por toda a Europa temos assistido apaticamente à subida ao poder de movimentos eurocépticos cada vez mais radicais. Suécia, Holanda, Itália, Hungria, Finlândia já têm que lidar com a extrema-direita no poder. E mesmo certos sectores alemães já consideram a Chanceler Angela Merkel demasiado liberal e europeísta. Fala-se muito da pressão dos mercados sobre o Euro mas ecoa o silêncio quando se trata de avaliar a ameaça política. Aliás o discurso político pura e simplesmente desapareceu. E quando falo de politica, falo da dimensão humana. Pois a política é isso. E o que fazem estes movimentos mais extremistas são discursos políticos. Populismo? Demagogia? Má política? Certamente. Mas eficaz e perigosa resposta à aridez e à desumanidade do discurso financeiro dominante.

Quanto mais a Europa hesitar em assumir-se como um espaço de unidade, quanto mais omitir os princípios que estiveram na sua origem e recusar o aprofundamento dos mesmos, enquanto continuar a pensar-se como uma junção ocasional de interesses particulares dos Estados membros e não como um todo, apesar de partilhar a mesma moeda, mais este novo “nacionalismo social” progredirá.

Ora vejamos o que defende politicamente a Senhora Le Pen e o seu nacionalismo social (nacional socialismo?).

Fidelizado que está o seu eleitorado mais racista e xenófobo - basta nunca perder uma ocasião de designar os emigrantes, sobretudo se forem muçulmanos, como a origem do todos os males e uma ameaça permanente - a senhora Le Pen pode dedicar-se ao eleitorado mais à esquerda recuperando aliás algumas das ideias da tradicional direita conservadora que se inspira no General de Gaulle. A senhora Le Pen assume-se como uma anti-liberal convicta: contra os bancos, contra a especulação financeira. Defende os serviços e funcionários públicos e os grandes investimentos do Estado. Qualifica até a Europa de “catalisador” de uma vontade de desmantelamento do Estado. Para os anarco-niilistas, tanto de esquerda como de direita, denúncia os supostos conluios entre partidos de poder, a distância entre as elites e o povo; o clientelismo e promove o enxovalho indiscriminado da classe política. No actual contexto de crise é obvio que este discurso encontra terreno fértil. Mas em dimensões que até surpreendem os partidos e organizações historicamente mais contestatários. Não deixa de ser revelador que a CGT, equivalente francês da nossa CGTP, tenha sido obrigada a expulsar delegados sindicais que se apresentam como candidatos nas listas da Frente Nacional nas próximas eleições regionais. O mesmo se passou no sindicato Lutte Ouvrière da mítica trotskista Arlette Laguiller. Surpreendente? Talvez não tanto. Preocupante? Sem dúvida.

Preocupante a subida dos movimentos extremistas, preocupante a obstinada cegueira da Europa. Ninguém hesitou em comparar a actual crise com a crise de 1929, mas poucos querem relembrar as consequências da mesma: o exacerbar das rivalidades económicas entre os Estados, o crescimento exponencial dos nacionalismos mais ferozes.

Qualquer semelhança com a atitude sobranceira de certos países do norte da Europa em relação aos “ malcomportados” do sul, que condenam à recessão como acção punitiva, será mera coincidência?

Poucos querem lembrar que a esclerose de mecanismos de regulação política em muito contribuiu para os dois grandes conflitos mundiais do século XX. Que a criação de uma comunidade Europeia permitiu que, durante mais de 50 anos, o velho continente vivesse em paz, substituindo ao conceito de concorrência entre Estados a noção de cooperação e solidariedade entre povos.

Tão seguros que estamos da nossa superioridade democrática, e apesar da equiparação entre 1929 e 2007, consolamo-nos com uma certeza inabalável, digna da euforia dos anos 20 que considerara a primeira guerra mundial como a última das guerra (la “der des der”): ameaças aos regimes democráticos só do outro lado do Mediterrâneo!

No entanto o discurso da senhora Le Pen tem o mérito da pouca ambíguidade. Defende um Estado forte mas que tenha, e passo a citar, “os instrumentos técnicos e legais, que assegurem o seu poder”. Vindo de quem vem teme-se o pior. E para que não haja dúvidas fala da Escola pública como instrumento essencial para a construção de um Homem Novo. Como diriam os franceses: le mot est dit.

O Presidente da República no seu polémico discurso apelou a um sobressalto cívico. Apesar de não duvidar das profundas convicções democráticas do Prof. Cavaco Silva, conviria talvez esclarecer em que sentido. Pois o que não falta actualmente por essa Europa fora são movimentos a fazerem o mesmo apelo mas pelas piores razões e com as mais duvidosas das intenções.

19 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media