Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Pôr as coisas em perspectiva

No seu artigo de hoje no Publico (sem link), José Manuel Fernandes resolve seguir na onda de Álvaro Santos Pereira, e diz: os factos provam que a culpa é toda do Sócrates. Insistir em desvalorizar, quando não mesmo ignorar, o contexto internacional tem o pequeno problema de se aumentar significativamente a probabilidade de se dizerem disparates. Por exemplo, afirmar que, tirando os países periféricos, 'ninguém sofreu como nós, nomeadamente a destruição de emprego' leva-me a concluir que JMF não vive neste planeta. É que, para além de desvalorizar o facto de Portugal ter tido um aumento da taxa de desemprego muito menor que a Espanha, a Grécia e a Irlanda, ignora que o desemprego na Eslováquia, na Bulgaria, na Estónia, na Letónia, na Lituânia e - pasme-se - na Dinamarca (a da flexi-segurança) aumentou muito mais do que em Portugal (dados OCDE e Eurostat). A não ser que JMF considere que estes países (mais os EUA) são todos periféricos, a afirmação de que Portugal é um caso singular é claramente falsa.

 

Strauss Kahn pôs o FMI a trabalhar com OIT porque a crise do desemprego é o maior desafio para a eocnomia mundial, não porque José Sócrates tenha criado um problema especificamente português. Mas o problema de JMF não acaba aqui. Mesmo que fosse verdade que o desemprego só tivesse afectado os países periféricos, o que justifica tratar esse facto como algo irrelevante para se formular um juízo sobre o caso português? Como é óbvio, nada disto implica que o desemprego não seja um problema grave; apenas que, se quisermos ser sérios, convém pôr as coisas em perspectiva.

1 comentário

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media