Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Brevíssima história do tempo

Nós somos feitos de tempo; e o tempo é feito das histórias que o narram. Desde Aristóteles, a política pode ser vista como uma história a que recorremos para nos entendemos a nós próprios. Aristóteles falava de uma natureza orgânica, teleológica, que ordenava a acção humana de forma hierárquica, distribuindo papeis bem definidos que nós nos limitavamos a representar. Mas ele nao se considerava o criador dessa história—ele limitava-se a descrever a ordem natural das coisas. Com a dissolução da polis grega e a crise da vida pública que lhe dava sentido, o homem descobriu a interioridade e a liberdade dos estoicos. E foi assim que a história mudou. Sem esta noção de liberdade e a riqueza interior que lhe está associada não teria havido cristianismo nem a noção de individualismo moderno que nós tomamos como auto-evidente. E foi assim que se tornou possível passar de uma história circular, essencialmente pagã, para uma narrativa linear, onde o homem se torna responsável pelo seu próprio destino. Por outras palavras: a história do homem perdeu a sua fundamentação numa natureza pré-determinada e espiritualizou-se. O primeiro pensador que tentou conceptualizar esta separação da natureza e a defender uma noção de liberdade entendida como autonomia, que se opõe a qualquer forma de dogmatismo, foi Kant. As suas três críticas (Razão Pura, Razão Prática e Faculdade do Juízo) são uma espécie de conclusão inconsciente desta narrativa de libertação. Coube finalmente a Hegel tentar completar Kant, e, numa espécie de Freudianismo avant la lettre, escavar e trazer à superfície esta história, confrontando a humanidade com a sua memória reprimida. Hegel pensava que nos podiamos reconciliar com a nossa própria história entendendo-a como algo que legitima uma certa ideia de necessidade, compatibilizando-a com a liberdade moderna: ela era no fundo uma narrativa de inspiração escatológica que legitimava um certo ideal de modernidade, valorizando a liberdade individual e o estado de direito. Para Hegel, a modernidade política é caracterizada por três esferas—a família, a sociedade civil e o Estado— que só são aparentemente autónomos. Contra uma certa narrativa liberal unilateral, que opõe estas três realidades, Hegel retrata-as como sendo inter-dependentes, como possuindo uma história comum. Ou seja, elas são a sua própria história; e, por isso mesmo, sempre diferentes e sem uma essência fixa e determinada. O fim da história de Fukuyama, Marx e de alguns hiper-liberais é na realidade o fim da imaginação humana, porque eles se esquecem do tempo, tentando cristalizar algo que a história e a experiência se apressam a dissolver. A única certeza histórica é que ela é sempre algo futuro, por escrever. O tempo em que vivemos também é feito de mudança. Chegou a hora de abandonarmos qualquer tipo de ilusão que nos tenta vender a ideia de autonomia e auto-suficiência do mercado. Precisamos de repetir algo parecido com os ensinamentos de Hegel, mas agora à luz das exigência políticas do presente. Hegel falhou não porque não tivesse razão mas porque o tempo assim o exige. Como disse Becket: Ever tried. Ever failed. No matter. Try again. Fail again. Fail better. Reinventar histórias é o nosso destino e o nosso dever. E nenhuma é definitiva, porque o tempo não deixa.

26 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media