Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Brevíssima história do tempo

Nós somos feitos de tempo; e o tempo é feito das histórias que o narram. Desde Aristóteles, a política pode ser vista como uma história a que recorremos para nos entendemos a nós próprios. Aristóteles falava de uma natureza orgânica, teleológica, que ordenava a acção humana de forma hierárquica, distribuindo papeis bem definidos que nós nos limitavamos a representar. Mas ele nao se considerava o criador dessa história—ele limitava-se a descrever a ordem natural das coisas. Com a dissolução da polis grega e a crise da vida pública que lhe dava sentido, o homem descobriu a interioridade e a liberdade dos estoicos. E foi assim que a história mudou. Sem esta noção de liberdade e a riqueza interior que lhe está associada não teria havido cristianismo nem a noção de individualismo moderno que nós tomamos como auto-evidente. E foi assim que se tornou possível passar de uma história circular, essencialmente pagã, para uma narrativa linear, onde o homem se torna responsável pelo seu próprio destino. Por outras palavras: a história do homem perdeu a sua fundamentação numa natureza pré-determinada e espiritualizou-se. O primeiro pensador que tentou conceptualizar esta separação da natureza e a defender uma noção de liberdade entendida como autonomia, que se opõe a qualquer forma de dogmatismo, foi Kant. As suas três críticas (Razão Pura, Razão Prática e Faculdade do Juízo) são uma espécie de conclusão inconsciente desta narrativa de libertação. Coube finalmente a Hegel tentar completar Kant, e, numa espécie de Freudianismo avant la lettre, escavar e trazer à superfície esta história, confrontando a humanidade com a sua memória reprimida. Hegel pensava que nos podiamos reconciliar com a nossa própria história entendendo-a como algo que legitima uma certa ideia de necessidade, compatibilizando-a com a liberdade moderna: ela era no fundo uma narrativa de inspiração escatológica que legitimava um certo ideal de modernidade, valorizando a liberdade individual e o estado de direito. Para Hegel, a modernidade política é caracterizada por três esferas—a família, a sociedade civil e o Estado— que só são aparentemente autónomos. Contra uma certa narrativa liberal unilateral, que opõe estas três realidades, Hegel retrata-as como sendo inter-dependentes, como possuindo uma história comum. Ou seja, elas são a sua própria história; e, por isso mesmo, sempre diferentes e sem uma essência fixa e determinada. O fim da história de Fukuyama, Marx e de alguns hiper-liberais é na realidade o fim da imaginação humana, porque eles se esquecem do tempo, tentando cristalizar algo que a história e a experiência se apressam a dissolver. A única certeza histórica é que ela é sempre algo futuro, por escrever. O tempo em que vivemos também é feito de mudança. Chegou a hora de abandonarmos qualquer tipo de ilusão que nos tenta vender a ideia de autonomia e auto-suficiência do mercado. Precisamos de repetir algo parecido com os ensinamentos de Hegel, mas agora à luz das exigência políticas do presente. Hegel falhou não porque não tivesse razão mas porque o tempo assim o exige. Como disse Becket: Ever tried. Ever failed. No matter. Try again. Fail again. Fail better. Reinventar histórias é o nosso destino e o nosso dever. E nenhuma é definitiva, porque o tempo não deixa.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media