Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

futuro recente

'a prova de que os governos não intervêm na RTP quando e como querem  está à vista neste caso: a notícia (verdadeira ou não) foi imediatamente conhecida, o governo não a desmentiu até ao momento, o “convidado” proferiu uma primeira declaração ambígua que mais confirmava a abordagem do que a desmentia e a Direcção de Informação da RTP (DI/RTP) veio “pôr os pontos nos is” e  afirmar “que respeita as regras”, que é como quem diz “aqui quem manda sou eu”. A menos que o DI/RTP e a administração venham a ser “despedidos” por terem ousado lembrar a quem de direito que a competência para a nomeação de correspondentes lhes pertence, o que temos aqui é uma  tentativa de interferência não consumada (cuja responsabilidade não pode ser assacada à  RTP)'

 

este resumo de estrela serrano sobre o crespogate serve direitinho como bom barrete em todos os que se apressaram a, numa operação atabalhoada de contenção de danos, alegar que o problema do convite de relvas a crespo, a existir, se devia ao facto de a rtp ser pública e portanto de 'estas coisas serem inevitáveis'.

 

mas há mais um barrete que estas pessoas que passaram anos a chamar serventuários aos outros e a acusá-los de 'calarem todas as críticas' e 'obedecerem à voz do dono' enfiaram direitinho. é que nenhuma disse que não acreditava que relvas tivesse feito o convite, ou que precisava de provas concretas para pôr sequer a hipótese, e no entanto nenhuma o criticou pelo facto. nenhuma. é obra, não é? é esta a ideia que têm do governo que apoiam: gente capaz de atropelar todas as regras e imperativos legais, e, no entanto, fazem paz com isso, desde que a tal gente se apreste a cumprir a agenda 'liberal' que dela esperam.  

 

quanto aos que acham que não é preciso ter uma televisão do estado porque as privadas cumprem o serviço público, o crespogate também serve de edificante exemplo. bastou ver a forma como a sic tratou a notícia dada por um jornal da mesma empresa sobre um convite feito pelo governo a um seu funcionário que por acaso de cada vez que foi interpelado sobre o mesmo convite se apressou a dizer que estava interessado e nunca tinha feito disso segredo -- ou seja, que se o convite fosse formalizado aceitá-lo-ia --: com silêncio rigoroso, só quebrado por um solilóquio do próprio funcionário, à melhor maneira de chavez ou fidel.

 

esta história, é claro, ainda não terminou. mas no pouco tempo da sua duração -- a notícia do expresso é de ontem à noite -- já revelou muitíssimo. aguardam-se os próximos capítulos. e sendo certo que não tenho na melhor conta o expresso (que está farto de dar notícias falsas), que suspeito que balsemão e a sic adorariam livrar-se de crespo e que à partida sou céptica em relação a tudo, até ter provas, as primeiras declarações de crespo ao jornal onde tem uma coluna e que funciona na mesma empresa são tudo menos consistentes com o desmentido 'categórico' que fez no jornal das 9. como é pouco consistente com esse desmentido o silêncio de relvas e da sic. se relvas pode negar, porque motivo não nega quando solicitado a comentar? e se a sic pode e deve noticiar, por que motivo não noticia? por que motivo crespo não foi questionado por um jornalista da casa? foi ele que se recusou ou a sic que não quis?

 

ao contrário da direcção de informação da rtp, que veio pôr os pontos nos i quanto ao concurso para correspondente, a direcção de informação da sic mostrou ser refém de lógicas que nada têm a ver com informação. se o governo fosse outro, falar-se-ia de 'pressões'. ou de 'negociatas', ou 'tramóias'. como é este, assobia-se para o ar.

 

ah, sim, isto é tudo muito divertido. mas muito triste também. muito mesmo. the future is so bright that we gotta wear shades.

1 comentário

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media