Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

10 mitos sobre a revolução líbia

Numa altura em que nas redes sociais muitos lamentam o auxílio que a comunidade internacional forneceu aos ditos rebeldes líbios, que tudo indica estão quase a derrubar o regime de Khadafi, vale a pena ler este artigo de Juan Cole, que desmistifica os lamentos que tenho lido e mais alguns.

 

Mito 1- A política doméstica de Khadafi era de esquerda  - falso.

Enquanto isso poderia ter um fundo de verdade nos anos 70, nas últimas décadas o governo de Khadafi distinguiu-se pela repressão económica das tribos que se atreveram a fazer-lhe frente. Na última década em particular, enquanto boa parte dos líbios viviam em condições de extrema pobreza, a corrupção, o enriquecimento obsceno de alguns, incluindo Khadafi e filhos, foram a imagem de marca do regime, desencorajando   o investmento e destruindo a economia líbia.

 

Mito 2 - Khadafi conduzia uma política internacional de esquerda  - falso.

Por exemplo, Khadafi teve um papel sinistro em África,  apoiando ditadores brutais e ajudando a fomentar guerras ruinosas.  Em 1996, aqueles que alguns clamam ser um campeão da causa palestina, expulsou 30 mil palestinos da Líbia.  Para além disso, as suas boas relações com George W. Bush, Silvio Berlusconi e outras figuras da direita - algumas das quais, como Berlusconi reagiram muito mal à intervenção da NATO, mostram claramente que isso é falso.

 

Mito 3 - A reacção de Khadafi à "insurreição", enviando forças militares contra os protestantes, não foi nada de extraordinário, qualquer Estado faria o mesmo - falso.

O que Khadafi fez nos últimos meses é um crime de guerra e acforma alargada e sistemática como enviou forças militares contra os líbios um crime contra a humanidde. Por exemplo, quer os militares tunisinos quer os egipcíos se recusaram disparar sobre a população. Os líbios,  pelo contrário, fizeram disso quase um desporto.

 

Mito 4 - Houve um longo impasse na luta entre os revolucionários e os militares de Khadafi -falso.

Desde Abril que a revolução alastrou, sem impasses nem tréguas por parte dos militares, dos seus dois focos iniciais, Misrata e as regiões montanhosas a oeste. 

 

Mito 5 -  A revolução líbia foi uma guerra civil - falso.

A revolução começou com protestos pacíficos e apenas a agressão militar, com artilharia, tanques, morteiros e bombas de fragmentação, sobre a população levou ao armamento dos protestantes. Apenas em alguns, muito poucos, locais, como Sirte, houve apoio popular a Khadafi, claramente insuficiente para falar em guerra civil. Ou seja, esta não foi uma guerra de combates de civis contra civis, mas de civis contra as forças de Khadafi.

 

Mito 6. A Líbia não é um país "verdadeiro", poderia ter sido dividida entre este, fiel a Khadafi, e Oeste -falso.
Embora um prestigiado analista, Alexander Cockburn, tenha previsto a balcanização da Líbia isso é pouco provável. Existem movimentos tribais na Líbia mas não movimentos separatistas, tribais ou étnicos. De facto, a etnicidade não é algo muito relevante nesta questão, em particular agora em que os berberes surgem como grandes heróis da revolução. Pelo contrário, as novas gerações, os principais protagonistas da revolução, têm sido os grandes defensores de uma Líbia una e não um conjunto de tribos.

 

Mito 7 -  Deveria ter havido desde o início forças da ONU no terreno - falso.

Como se vê, os líbios não precisaram dessas forças para ter sucesso e a sua presença teria sido (e será) contraproducente, a todos os níveis, interno e externo.

 

Mito 8 -  Os EUA lideraram a ofensiva (aérea) da NATO - falso.

Na realidade, Obama mostrou-se muito relutante em se envolver noutra ofensiva num país islâmico. A Europa Ocidental, UE em particular, foi o grande motor do auxílio aos rebeldes.

 

Mito 9 -  Khadafi nunca teria morto tantos dissidentes não fora a intervenção da NATO - falso.

A intervenção da NATO ocorreu exactamente para evitar mais massacres de civis. Há inúmeros exemplos da sua brutalidade em Zawiya, Tawargha, Misrata etc...

 

Mito 10 -  Esta foi uma guerra pelo petróleo da Líbia - falso.

Esta para além de falsa é idiota em extremo. A Líbia já estava integrada nos mercados internacionais de petróleo, e muitas companhias, BP, ENI, Total SA., Repsol, etc., etc., tinham contratos milionários que não queriam ver em perigo com uma mudança política no país. Pelo contrário, esta foi uma guerra contra os interesses do grande petróleo ocidental.

23 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media