Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

A "estratégia"

 

Diz-se que o Governo parece uma barata tonta e que, em desespero de causa, não tem outra opção que não passe por aumentar impostos para cumprir o memorando da troika.  

Há uma outra hipótese. Bem sei que a minha intuição é sinuosa e improvável, mas dada a invulgar concentração de massa cinzenta em São Bento e arredores, não é de menosprezar o maquiavelismo, mesmo que de algibeira. Talvez exista uma "estratégia", que tem dois momentos:

 

Momento A

Violam-se todas as propostas eleitorais sobre a consolidação orçamental do lado da receita. Aumenta-se tudo o que mexe: IVA, IRS, IRC, inventam-se taxas "adicionais" e impostos "extraordinários", afinal, o osso da conhecida estratégia da incompetência socialista. Avança-se com o corte nos benefícios fiscais, medida que, quando projectada no passado, fazia parte de um vergonhoso saque esquerdista à classe média. Corta-se despesa pública que, afinal, em vez de alimentar a obesidade do monstro, servia o dia-a-dia da maioria dos cidadãos (transportes, medicamentos, etc.). A Taxa Social Única, a bala mágica da competitividade, a "menina dos olhos" de Moedas, estudada e testada e validada e replicada e demonstrada por grupos de trabalho com meses de estudo sobre o assunto antes das eleições legislativas, afinal é uma extraordinária incógnita, quase do domínio da fé, e Gaspar tem medo que não provoque outra coisa que não seja um enorme buraco orçamental. 

Resultado: o país que acreditou no discurso político de PSD e CDS do último ano e meio, e que se revelou ser um colossal embuste, espuma de raiva (e com razão). Ouve-se: "afinal são iguais aos outros"; "são piores, andaram a enganar o povo", etc.

 

Momento B

Deixa-se acumular a pressão dentro da panela até o máximo possível; depois, retira-se a tampa no momento certo. Quando chegar o momento dos cortes na despesa pública - e ele chegará, não há dúvidas -, a parte do país enganado e enraivecido aplaudirá os cortes desesperados e violentos (provavelmente tão desesperados e violentos como os aumentos de impostos dos últimos 2 meses). "Até que enfim!"; "é bem feito!"; "estava a ver que não chegava a vez dos funcionários públicos!", "já chega de sermos sempre nós a pagar com mais impostos", "acabem com esses sorvedouros", etc..

 

Moral da "estratégia": a esperança do Governo é capitalizar o ressentimento de milhões de contribuintes que enganou nestes 2 meses. 

3 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media