Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

"Melhores cidadãos e melhores pessoas"

1. Este facto, amplamente noticiado e comentado, é retirado deste gráfico do relatório anual da OCDE, Education at a Glance 2011 (página 44 no capítulo relativo ao indicador A2), hoje divulgado:

 

O gráfico, com dados referentes a 2009, compara com o do relatório do ano passado (ver abaixo), o Education at a Glance 2010 (página 42), que tinha dados relativos a 2008.

 

 

Da comparação dos gráficos podemos observar três coisas relevantes:

- Portugal salta da cauda da tabela relativa a 2008 para o topo nos dados de 2009; 

- vários países fornecem a informação relativa à idade dos diplomados com o ensino secundário. Portugal é um deles.  

- o aumento de diplomados com mais de 25 anos é único factor responsável pela subida de Portugal na tabela.

Sobre isto há três comentários a fazer:

- Podemos discutir se a OCDE faz bem em juntar os diplomados do secundário que são jovens com aqueles que, mais velhos, beneficiam das vias institucionais reunidas sob o programa Novas Oportunidades (programa que, em texto, a OCDE, reconhece estar na base desta mudança na brusca percentagem de diplomados do secundário - embora a OCDE faça o mesmo, naturalmente, com todos os países com programas semelhantes). Eu próprio tenho algumas dúvidas da decisão - para além de tudo, ela presta-se ao aproveitamento político a que já estamos habituados.  

- No entanto, não se pode dizer que o que está em causa esteja particularmente camuflado: o gráfico mostra-nos que 63% dos jovens com menos 25 anos havia terminado o secundário; em 2008, o valor atingira os 58% (recorde-se que o valor estava nos 51% em 2005). 

- A OCDE podia disponibilizar informação mais clara que permitisse distinguir, de forma mais clara, nas tabelas do indicador A2 (página 54 à 58 do relatório), o que considera general programmes e pre-vocational/vocational programmes

 

2. Nuno Crato apressou-se a dizer que a inclusão dos alunos do Novas Oportunidades "inflaciona em muito os números" - o que se percebe - e que a relatório "esconde a realidade" - sem que se perceba bem que "realidade" está em causa. (by the way, imaginam o que se diria de um(a) ministro(a) socialista que dissesse que um relatório internacional da OCDE "esconde a realidade"? Era o provincianismo sem limites). Talvez se queira reportar à qualidade dos conhecimentos e competências ministradas. Se assim é, Crato podia dizer que aguarda serenamente os resultados do PIAAC - Programme for International Assessment of Adult Competencies, uma espécie de PISA para os adultos, que começou a ser concebido em 2008, está - diz a OCDE - a ser aplicado este ano, e terá os resultados publicados em 2013. Mas isso seria dar demasiada credibilidade a estudos internacionais - os mesmos que, neste livro, eram utilizados para demonstrar a cegueira dos então responsáveis da área da educação. Já sabemos que a OCDE, tantas vezes a prova da ignorância dos portugueses, já não tem credibilidade nenhuma.

Pelo menos em parte, Crato quer referir-se à empregabilidade dos diplomados do Novas Oportunidades. Para que serve o canudo, afinal? A preocupação faz, se não for redutora e estiver devidamente enquadrada, todo o sentido. Sobre isto, há a lembrar, porém, para que a avaliação seja minimamente séria - e ninguém esperaria o contrário de alguém que acusa os outros de manipuladores - que a evolução do mercado de trabalho, em particular a partir da segunda metade de 2008, seja tida em conta. Seria no mínimo estranho que, depois da crise internacional ter provocado uma forte subida do desemprego (em Portugal e lá fora), a maioria dos diplomados do Novas Oportunidades tivessem grandes hipóteses de traduzir as competências e a sua certificação em novos empregos quando largos milhares de postos de trabalho eram destruídos todos os meses.

Mas sublinho o "se não for redutora". O impacto positivo da educação (e da certificação do conhecimento obtido ao longo da vida - a não ser que queiram defender que na vida profissional as pessoas não aprendem nada) não se resume à empregabilidade. A educação, como alguém disse recentemente, “liberta e vale por outras razões. Por exemplo, pela "capacidade" que dá nos para sabermos ouvir "um poema de Fernando Pessoa, gostarmos e percebemos [o] poema. A educação eleva as pessoas”, e torna-as “[m]elhores cidadãos e melhores pessoas.”  As palavras não são de nenhum filósofo romântico, mas do próprio Nuno Crato, e foram proferidas há um par de semanas na Universidade de Verão do PSD. 

Melhores cidadãos e melhores pessoas. Gostava de saber qual é a parte da avaliação ao Novas Oportunidades que vai analisar isto.

10 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media