Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Ilegalizar o keynesianismo

A única coisa que nesta circunstância parece ocupar a cabeça do PS de Seguro é saber se a limitação do défice a um máximo de 0,5% do PIB (porque não, como seria mais correcto, do PNB?) deve ser plasmada na Constituição ou numa mera lei ordinária.
Poderemos concluir daqui que o PS está de acordo com o princípio em si mesmo, visto que desta vez não pode desculpar-se com os compromissos assumidos com a troika.
Ora tanto a ideia de fixar limites legais ao défice como a de aplicar sanções automáticas a quem os ultrapassar são estúpidas.
Imagine-se que um país europeu sofre uma catástrofe nuclear semelhante àquela que este ano abalou o Japão. Deverá ele ainda por cima ser penalizado?
É claro que este é um exemplo extremo que serve apenas para evidenciar o absurdo da coisa, mas o facto é que os países são a todo o tempo afectados por factores imprevisíveis de origem natural ou humana.
Foi o que sucedeu recentemente com a crise financeira mundial que, ao determinar a contração das receitas fiscais fez explodir os défices públicos.
Note-se, porém, que o acordo ontem aprovado não prevê na verdade sanções automáticas, fazendo-as depender sempre da aprovação de uma maioria qualificada, que, de resto, não especifica. Pode-se pois argumentar que a regra será moderada pelo bom senso - algo muito preocupante dado que o bom senso não parece abundar em quem hoje dirige os destinos da UE.
Poder-se-á então em certas circunstâncias indeterminadas violar o limite do défice devido ao azar, mas nunca em resultado de uma deliberação voluntariamente assumida.
Ora isto equivale a ilegalizar uma modalidade de política económica perfeitamente respeitável, apenas porque certas pessoas, forças políticas e governos perfilham doutrinas às quais aborrece o keynesianismo.
Próximo passo: proibir nas faculdades de economia o ensino de teorias subversivas e perturbadoras da tranquilidade pública.

7 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media