Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

"A vaidade de Manuel Maria Carrilho: um recurso natural esbanjado
" por Vasco Barreto

Segundo o Expresso desta semana, no ano parlamento de 2007-2008 o deputado Manuel Maria Carrilho Carrilho não fez uma única intervenção na assembleia, não teve uma única iniciativa, um único requerimento, um único relatório. Em resumo, a ter feito alguma coisa foi figura de corpo presente. Recordo que na sua fase como autarca, que terminou em Janeiro de 2007, Carrilho não primou pela assiduidade na câmara. Esta preguiça autárquica e parlamentar de Carrilho seria quase estimável, pela coerência, caso o deputado não tivesse justificado a desistência da actividade de autarca com os trabalhos no Parlamento. É possível que Carrilho tenha passado este ano a escrever antecipadamente o livro em que explica por que motivos nesse mesmo ano foi um deputado sem actividade - e ninguém duvida que ele contornaria a circularidade do argumento com brilhantismo. A causa última, porém, é mais complexa. Apoiei este homem na campanha para câmara de Lisboa porque me parecia que acoplar a vaidade de Carrilho à cidade seria bom para os lisboetas. Perdida essa batalha, o ex-ministro da cultura nunca mais recuperou e a minha tese vinga: a vaidade de Carrilho é uma força poderosíssima. O problema é que a vaidade tanto incita à produção como condena à prostração, tudo depende do contexto. Mas também aqui se vê como Portugal esbanja os seus recursos naturais. Ao desaproveitar a imensa vaidade de Carrilho, dando-lhe tarefas que ele tem por menores, já não se corre o risco de lhe pagar uma pensão vitalícia, mas ainda se vai pagando um ordenado inútil. Não é caso único, mas uns irritam mais do que outros. Para quando a redução do número de deputados?

25 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media