Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Sugestão: não se queixe à Ilga, peça informação*

Ena tanta baralhação junta.

 

Assim à laia de "antes da ordem do dia": se a homossexualidade não é (não deve nem pode ser) fonte de direitos também não pode ser, de per si, fonte de falta deles. A aprovação do casamento de pessoas do mesmo sexo é disso exemplo. Defendo que a ninguém pode ser negada a possibilidade de, tal como eu, poder decidir não querer casar, ora para que tal seja uma realidade é necessário que a possibilidade de casar exista.

 

Agora o tema. Com a legitimação legal da adopção por casais homossexuais não é o reconhecimento social da homossexualidade que está em causa. Nem a qualidade parental depende da orientação sexual nem a homossexualidade depende do reconhecimento social, existe, ponto. Casamento e parentalidade são coisas diferentes, como a lei portuguesa bem o prova, aliás, ao permitir a adopção de crianças por homossexuais solteiros, por exemplo.

 

Se, como de resto o Pedro afirma no texto, não é a orientação sexual que determina a qualidade parental, como baralha a defesa do interesse da criança com a orientação sexual dos progenitores? Mais, estas crianças, filhos biológicos e adoptados de pais homossexuais, já existem e a sua ética pessoal e a sua saúde mental não são de pior qualidade que a dos filhos de heterossexuais (aqui está alguma informação sobre o assunto mas há mais, bastante mais, espalhada pelo Jugular). A que preço se refere? Estigmatizante é uma lei obrigar uma criança a omitir uma realidade que é a dela.  

 

E a cereja em cima do bolo é a dos "papéis masculino e feminino definidos". De que  falará exactamente, será deste género de patacoadas? Mais, onde foi buscar a ideia de que a formação de uma personalidade se resume a um dever e um direito dos pais? Análise simplista, deixe-me dizer-lhe, patética e pouco informada. Imagine só que, sendo solteira, tenho um projecto de vida "estável e claro", para além de uma filha com uma personalidade sintónica criada numa família monoparental.

 

Adenda: Só para acrescentar mais este link e um pequeno comentário. Homossexuais conservadores é o que para aí não falta, Pedro, como muito bem sabe, sai-lhe furada, por isso, a ironia com que terminou a sua crónica.

*

7 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media