Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

dia de orgulho, orgulho de dia: rewind

Nunca, nestes 37 anos, fui à manifestação que amanhã, como em todos os aniversários da revolução de 1974, desce a avenida. Nunca fui e nem sei bem porquê. Por, talvez, me parecer, nas fotos e reportagens de TV, uma coisa sem alma, sem a intensidade que guardo da memória deste dia e que ainda me comove – sempre – nas imagens dos soldados em pose sobre os tanques, em performance pueril, feliz, e dos rostos da multidão que enche o largo do Carmo, Francisco Sousa Tavares e o seu megafone no meio das árvores, e esse milagre dos cravos, flores por balas, são flores, senhores, nem tiros nem mortos e feridos, nem sequer ajustes de contas: flores.

 

Pareceu-me sempre, estes anos todos, que nada poderia estar à altura disso. Era muito nova nos seguintes, demasiado para ir por mim, só (e ninguém me levou); quando tive idade para decidir estava na fase anti-manifestações, anti-massas, anti um certo folclore que associo a essa marcha que, para além do mais, me surgia sequestrada por grupos com os quais não só não me identifico como considero contrários ao melhor desse dia. E assim sempre até que, o ano passado, vi num blogue, num pequeno filme feito no dia, o que nunca tinha visto. Qualquer coisa de sublime – talvez porque o filme não tinha som nem palavras de ordem nem “caras” nem discursos, eram os rostos que se fixavam: rostos de uma exaltação tranquila, feliz, de quem cumpria um dever. O de honrar a memória do dia, como do antes e do depois. O de garantir que valeu a pena e que nunca vamos esquecer isso. O de dizer que sabemos a sorte que temos por ter havido quem nessa madrugada arriscasse tudo para que a avenida da liberdade fosse mesmo isso, uma avenida livre numa cidade livre num país livre que se desce e sobe sem sequer pensar nisso.

 

Não sei, claro – ou sei, claro – se todos os que tornaram isto possível fizeram o que fizeram com essa intenção; não sei – ou sei -- se alguns se arrependeram ou se deram em (ou foram sempre?) idiotas fanfarrões incapazes de resistir, por uma parangona ou cinco minutos de TV, a largar umas larachas à guisa de iconoclastia. Não me interessa. O dia e o feito sobrelevam, sobrevoam, esmagam todas as tentativas de apropriação oportunista ou simplesmente patética. Não são de ninguém, não têm assinatura nem autoria. Passaram a monumento, património da humanidade. Podem ser ou não celebrados no parlamento, com cravos na lapela ou sem eles: são maiores que isso, e riem de quem, eleito numa democracia que se fundou nesse símbolo, o rejeita.

 

Desde que em 2010 vi o clip no fworld, o blogue da Fátima Rolo Duarte (f-world-blog.blogs.sapo.pt), decidi que este ano iria à marcha. Talvez tenha precisado de 37 anos inteirinhos para perceber que é meu dever lá estar, que não chega saber para comigo que foi um dos melhores, maiores dias da minha vida, mesmo se tinha só 10 anos, mesmo se o que vi da revolução ao vivo foram soldados na ponte Marechal Carmona (que ainda se chama assim, já agora), e que o que sou, como o que somos, as escolhas que pudemos e podemos fazer, o que podemos e pudemos sonhar e rejeitar, se fundou aí, se iniciou aí, se ancora aí. Que é altura de engrossar o número dos que celebram e não capitular na entrega disto a seja quem for, e muito menos ao olvido. Coincidência que seja este o ano em que se tornou comum, banal, quase normal ouvir e ler que “antes era melhor” ou que “não valeu a pena”. Coincidência que seja este o ano em que a Assembleia da República não festeja. Coincidência, sem dúvida, mas feliz, digo eu: é agora que é mais preciso, e é agora que faz mais falta. Fazer a marcha do orgulho do 25 de Abril. Embora.

 

(publicado na coluna 'sermões impossíveis' da notícias magazine de 24 de abril de 2011; publicado aqui, no jugular, uma semana depois)

8 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media