Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

O "milagre" do superavit comercial, em 1943

 

Ao assistir ao «Estado da Nação», ontem dia 11 de Julho, verifiquei que a História esteve presente. Não me refiro tanto às intervenções de Luís Montenegro, do PSD, ou de Paulo Portas, dirigente do PP e ministro dos NegóciosEstrangeiros, sobre a histórica «resiliência» (como se diz agora» dos portugueses, manifesta desde a epopeia de há 500 anos. Falo do facto de serreferido como um aspecto positivo actual do aumento das exportações e do excedente comercial da ordem dos 0.4% do PIB, registado em Junho de 2012, pela primeira vez no País desde 1943, referido pelo ministro da Economia e pelos telejornais (a começar pelo da RTP), no dia 10.

 

O primeiro-ministro repetiu-o no debate sobre o «Estado da Nação», em resposta a Francisco Louçã que lembrou - e bem - que o ano de 1943 remetia para o salazarismo e para a pobreza. Talvez tivesse sido bom que o ministro Álvaro Santos Pereira e o chefe do governo Passos Coelho, ao referir esse facto histórico, o tivessem contextualizado – caso se interessassem por História – da mesma forma que deveriam contextualizar o aumento actual das exportações privadas e o bom momento da balança comercial de 2012, para se saber se se trata de um facto conjuntural ou, pelo contrário sustentável.

 

Gostaria de utilizar o pretexto para contextualizar o ano de 1943, durante a II Guerra Mundial, em que como se sabe Portugal teve um estatuto de neutralidade que nomeadamente lhe permitiu ter relações comerciais com os dois lados do conflito beligerante, quer com a tradicional aliada, Grã-Bretanha, quer com a Alemanha. De facto a Alemanha nazi, apesar do bloqueio britânico, passou a competir com o reino Unido como principal mercado de destino entre 1941 e 1943, tendo até a primazia nas exportações portuguesas no primeiro daqueles anos.

 

Efectivamente Portugal exportava para a Alemanha dois produtos muito importantes para o esforço de guerra na URSS, invadida em Junho de 1941 – o volfrâmio e conservas de peixe. Devido a esse facto, uma das características das exportações portuguesas nesse período foi a excepcional valorização da tonelada exportada, que constituiu mais de 587% em média, com um “pico”, em 1943, de mais de 1108% relativamente a 1936/1938. O que aconteceu é que, apesar de se terem então vendido menos mercadorias do que antes da guerra e muito menos do que as importadas durante a guerra, o aumento do preço do que se exportava permitiu compensar o desequilíbrio da tonelagem transaccionada de modo que até se conseguiu alcançar saldos positivos da balança comercial entre 1941 e 1943.

 

Tratou-se de um superavit conjuntural, como aliás os próprios elementos do regime salazarista assinalaram, realçando que nessa aparência de prosperidade haveria na realidade uma fragilidade essencial. Fizeram-no com o provável objectivo de evitar qualquer reivindicação de uma melhoria de condições de vida da população portuguesa. Não conseguiram porém esconjurar o enorme movimento de agitação social e grevista que eclodiu nesse anos de 1943 e 1944, apesar de se viver em ditadura e em regime de repressão (Fernando Rosas, Portugal entre a Guerra e a Paz. 1939-1945, 1990).

 

15 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media