Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

"Da prioridade como força de bloqueio" por Vasco Barreto

“Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o coronel Aureliano Buendía haveria de recordar aquela tarde remota em que o pai o levou a conhecer o gelo”. À primeira frase de 100 anos de solidão, de Marquez, ficamos reféns da curiosidade de saber como o coronel ali chegou e, sobretudo, se dali sairá. A cena é clássica: diante de um pelotão, corre acelerado o filme da vida na cabeça do condenado; na retaguarda do pelotão, aceleram as vidas de quem o pode salvar. Mas o hábito de suspender execuções no último instante não se esgota na ficção, nem sequer é invulgar. Aconteceu na semana passada, nos EUA. Troy Davis está há 17 anos no corredor da morte, condenado pelo assassínio de um polícia. Não se encontrou a arma do crime e sabe-se hoje que sete dos nove testemunhos que o condenaram eram falsos. O Supremo Tribunal entendeu por isso adiar a pena e reavaliar o caso. A contagem final? Quatro votos a favor, três contra, duas horas mais e um presumível inocente teria sido executado. Neste caso de vida ou morte –  a própria pena de morte ficou a duas horas de se suicidar, para quem ainda pensa que não é uma alma penada – ,  não é fácil perceber o gesto teatral de um pilares  da justiça americana, nem se aceita que o tenha feito a contar com uma derradeira confissão de um Davis confrontado com a seringa letal. Parece que a decisão se  tornou urgente com a proximidade da hora da execução,  e  que só a duas horas do fim anunciado se  criou  pressão suficiente para que uma suspeita de erro judicial se agigantasse. Isto ensina-nos algo sobre o modo como até as mais altas instituições funcionam. O Supremo Tribunal não pariu um rato, mas fez de rato acossado. Tal como nós. O prioritário é aquilo que nos põe em risco.

O que põe em risco o cidadão é – pois claro - o “crime” e a “crise económica”. Não espanta que quando qualquer outro assunto incómodo é agendado para discussão, alguém lembre que se trata de um capricho e quais são as prioridades perenes.  Mas este raciocínio é duplamente falacioso. Apresenta-se o caso como se resolver o “capricho” fosse diminuir a probabilidade de resolver o assunto prioritário, o que só seria verdadeiro se houvesse competição para os recursos do Estado. Como isto não faz regra, sobra a versão fraca do argumento: que o par de horas de discussão no Parlamento investido na resolução do “capricho” roubou tempo à discussão da prioridade. Aqui esquece-se que se duas horas e uma emenda na lei resolvem o capricho, isso não chega para um  problema prioritário, que é complexo. Os políticos apresentam também o caso com tal assertividade que as prioridades devem ser determinadas por uma fórmula em que se multiplica a gravidade do problema pelo número de cidadãos por ele afectados. É a lógica populista, capaz de fazer uma ditadura de uma maioria. Como se avalia a gravidade de um problema que não se sente? Com algum grau de abstracção e respeitando princípios básicos. É para isso que serve uma classe política. Mas sob a capa da eficiência e por mesquinhez, a ideia de prioridade acaba por perverter a sua própria natureza. Em vez de expedir a resolução dos problemas de todos os cidadãos, acaba por  nos paralisar. Como sempre, às segundas, a crónica do Vasco no Metro.

10 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media