Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

O Estado social só «para os pobres»: um modelo que se derrota a si proprio

 

Como já muitos disseram (esteeste são excelentes exemplos), o modelo preferido pelo FMI (e a partir do qual critica o desempenho do Estado social português) é o de um Estado social no qual os todos os euros que não estão orientados para os mais pobres e não contribuem para reduzir a pobreza são considerados como transferências ineficientes e iníquas.

 

Não há nada de novo nesta posição. Se os (neo-)liberais pudessem desenhar um Estado social a partir do zero, todos as prestações e serviços que existissem – e seriam residuais – estariam sujeitos a condição de recursos. A classe média seria incentivada a ser «auto-suficiente» e apenas os «pobres» seriam alvo da «ajuda» pública. As prestações e os serviços seriam residuais para, segundo nos dizem, não criarem os incentivos – errados – que pudessem criar situações nas quais os indivíduos estivessem melhor fora do mercado de trabalho do que lá dentro.  

 

Podia agora mostrar empiricamente que os países onde os Estados sociais que mais próximos estão deste modelo (o liberal/anglosaxónico) são aqueles onde a pobreza é mais elevada, as desigualdades mais altas, e a mobilidade social mais baixa - não apesar, mas (parcialmente) por causa de as prestações sociais serem dirigidas maioritariamente para os pobres. Mas talvez seja mais interessante recorrer a uma pequena ficção para mostrar como o modelo do Estado social «só para pobres», que não os deve desincentivar ao trabalho, se derrota a si próprio.

 

Imaginem que estamos em 2016 e que vivemos em Portugal já com um Estado social mínimo, que canaliza a esmagadora maioria da despesa social «para quem efectivamente precisa». Depois de uma revolução institucional que, em 2014-15, alterou profundamente a filosofia e a estrutura do Estado social existente, não apenas todas as prestações, como todos serviços públicos passaram a estar sujeitos a condição de recursos.

 

Vejamos o caso do Pedro, 37 anos, que vive em Massamá. O Pedro trabalhava na FormaTecno, uma firma outrora de sucesso na área dos serviços às empresas. Infelizmente, a empresa faliu e atirou o Pedro e mais 25 trabalhadores para o desemprego. Agora, ao contrário do que acontecia quando ganhava 1000 euros brutos/mês de salário, enquanto desempregado, Pedro beneficia de isenção nas taxas moderadoras do SNS e de isenção de propinas na escola pública (tem uma filha de 7 anos). Para além do subsídio de desemprego – que tem o valor único de 419 euros, o valor do IAS, por actualizar há vários anos -, recebe também o abono de família (agora só os oficialmente considerados «pobres» o recebem). Desde que se viu na impossibilidade da pagar a prestação da casa em que vivia com a sua família (a Laura, com quem é casado, também está desempregada) e a teve de entregar ao banco, foi obrigado a recorrer à habitação social, porque não pode comportar uma renda a preços de mercado.

 

Depois de 6 meses à procura, Pedro obtém finalmente uma oferta interessante. A empresa com quem está a negociar propõe-lhe um salário de 900 euros/mês brutos. Pedro está entusiasmado com o novo projecto, mas começa a fazer contas (algo que até nem gosta, porque tem o objectivo de voltar ao mercado de trabalho, mesmo que o salário não seja muito atractivo). Se aceitar o emprego, perde a isenção de propinas na escola da filha, que é só para pobres. Perde a isenção no SNS, que é só para pobres. Perde também o abono de família, que é só para pobres. E perde o direito de viver na casa onde habita, que é só para pobres. Pedro termina os cálculos e mete as mãos à cabeça. Não pode aceitar o emprego que lhe propõem, não só porque perderia efectivamente dinheiro, como colocaria a sua vida e a da sua família de pernas para o ar, ao ter de abandonar a casa a que chegaram há pouco tempo. Pedro caiu na armadilha que o «Estado só para pobres», essa ideia que até lhe parecia boa enquanto não se viu na situação de ser considerado um deles, construiu.  

 

É preciso concluir que, para os defensores do Estado mínimo, a unica forma de ser coerente com a sua filosofia dos incentivos certos é não haver quaisquer prestações ou serviços públicos: o Estado social não deve efectivamente existir. Em caso contrário, como vimos acima, qualquer modelo de protecção que incida apenas e só nos mais pobres produz aquilo que os liberais identificam com o Estado social «para todos», e que não pode deixar de ser um sistema que multiplica armadilhas : da pobreza, do desemprego, dos baixos salários, da imobilidade social.  

 

Quer dizer que isto é tudo incoerente? Não, a coerência é política. Este modelo gera e alimenta-se da política do ressentimento entre pessoas de condição semelhante. Para a direita, esta é a melhor garantia que a classe média-baixa continuará a digladiar-se com os pobres, em vez de ser capaz de construir com eles uma aliança por melhores condições para todos.

 

Assim, é óbvio que - para continuar a ficção anterior - o Vitor, ex-colega de Pedro na empresa FormaTecno, e que conseguiu encontrar um emprego dois meses depois de ter sido despedido numa empresa onde já tinha trabalhado no passado - mas para ganhar agora apenas 700 euros brutos/mês -, está indignado com o facto de o Pedro passar meses e meses no desemprego e de, nesta condição, ter, como diz o Vitor, «tudo à borla: casa, educação, saúde, até abono de família». O Vitor, enquanto oficialmente «não-pobre», tem de pagar tudo do bolso dele e, claro, financiar, via impostos, a inactividade do Pedro: «É uma vergonha. Este Estado só gera e alimenta preguiçosos.» Para a direita, esta é a pressão política perfeita: a pressão para, quando as coisas estão social e economicamente difíceis, baixar sempre mais os mínimos sociais.

 

O Estado social «só para pobres» produz precisamente aquilo que a direita critica e pretende evitar. É por isso que o Estado social para cidadãos – no qual o acesso a bens públicos essenciais, como a educação e saúde, é universal, e que articule em doses certas, no que às prestações diz respeito, os princípios da (relativa) universalidade, da progressividade e da contribuitividade –, sendo mais caro, é um sistema mais inteligente para reduzir a pobreza e as desigualdades, e para integrar todos numa mesma comunidade política e social.

9 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media