Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

História Incorreta do Portugal Contemporâneo

A primeira página do Jornal de Negócios de sexta trouxe-nos finalmente uma boa notícia: «não estamos livres de ter uma crise a sério, como a de 29». O alerta vem do mestre (em ciência política) Henrique Raposo, num momento em que vários economistas e o milhão de portugueses que se manifestou no sábado pensavam que já estávamos «numa crise a sério como a de 29». Aparentemente – economistas e portugueses – precipitaram-se.

Esta reconfortante declaração de Henrique Raposo surge numa entrevista que deu a Anabela Mota Ribeiro a propósito do seu último livro, “História Politicamente Incorreta do Portugal Contemporâneo”. A entrevistadora destaca uma confissão curiosa, vinda de quem diz que passou por todo o sistema público de ensino, aliás com notório aproveitamento: «Tenho 34 anos e ainda não vi o Estado Social». Em contrapartida, graças a esse Estado Social, este jovem historiador consegue ver coisas que mais ninguém vê: Soares era afinal um nacionalista e Salazar, esse sim, foi um europeísta. Raposo está prestes a descobrir que o Partido Socialista foi fundado em Santa Comba, e não em Bad Munstereifel como pretende a mitologia soarista. Escusava só de ter escolhido como representativo das posições atuais do PS um militante muito interessante mas cuja última quota paga deve ser a de Dezembro de 1985: «O Alfredo Barroso disse recentemente que o euro não é muito bom e que se calhar temos de pensar em sair do euro. Podemos, neste caso, dizer: “Estão a voltar às raízes”.»  

Fica ainda assim uma dúvida: em que factos e leituras se apoiam tão extraordinárias teses? Anabela Mota Ribeiro põe o dedo na ferida: «Esses factos são os que constam dos livros de História de Fernando Rosas e Irene Pimentel? A bibliografia que consulta para a elaboração destes textos é sobretudo a de historiadores de direita…» Raposo não se fica: «Ao nível da História económica, [consultei] o Pedro Lains, que é um homem de esquerda, o Bruno Cardoso Reis, que é um homem de esquerda. O que pode dizer é que consultei uma historiografia que é muito mais nova do que [a feita por] esses dois [historiadores] que mencionou». Tendo em consideração que «esses dois» que Anabela mencionou têm historiografia que não é menos «nova», e que Lains e Reis (boas referências) não os substituem com vantagem no assunto aqui em causa (o salazarismo), na melhor das hipóteses o que aconteceu foi que Raposo, em vez da tradicional pesquisa bibliográfica, optou por uma ida à Feira do Livro do ICS.  

A entrevista também chega à atualidade. Só que quando pensa como contribuinte, Raposo esquece os ensinamentos de Max Weber: «aflige-me que os ministros cheguem aos ministérios e não sejam capazes de dizer: “Preciso destas pessoas, destas, destas. Destas, não preciso”». Então, isso não traria o risco do clientelismo, pergunta Anabela Mota Ribeiro? Aparentemente, Raposo nunca ouviu falar da Dra. Ana Manso: «Que clientelismo pode haver nos hospitais?» Mas pronto, tal como todos nós, Henrique Raposo anda amargurado com o destino da pátria. Felizmente, este Alexandre Herculano dos tempos modernos já encontrou a sua Vale de Lobos: «Só há uma salvação: (…) é a agricultura. Eu, mais dia menos dia, vou ser um jovem agricultor.»

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media